Anúncio

Aconteceu entre os dias 26 a 30 de junho, o BIG Festival 2019, evento de games indie que reuniu mais de 20 mil pessoas – entre quarta e domingo – e 75 jogos na mostra, sendo 54 em competição (de 22 países).

O evento proporciona para o público fã de games, trocar ideia com os desenvolvedores, seja brasileiros e estrangeiros que circulam por lá, adquirir itens exclusivos nos estandes e claro, o conhecimento provido das diversas palestras da programação.

Estações de Jogos

Foto: Assessoria Big Festival 2019
Foto: Assessoria Big Festival 2019

O público pôde jogar de graça 75 games independentes, desde jogo em realidade virtual, para celular, para computador e mais. Desse total, 54 jogos estão em competição no Festival.

Workshops

Foto: Assessoria Big Festival 2019

Diversos workshops de produção de games, como o de Level Design que abrangeu as nuances e dificuldades da produção, mostrando cases e experiências para quem pensa em entrar neste mercado de games.

Palestras

Foto: Assessoria Big Festival 2019

As palestras tiveram temas como “Os cases de sucesso dos games brasileiros são destaque de palestra apresentada pela Abragames”, “Palestra Facebook: Fomentando o ecossistema de jogos”, em mais de 100 horas de puro aprendizado gamistico!

Concurso Cosplay

big festival 2019
Foto: Assessoria Big Festival 2019
big festival 2019
Foto: Assessoria Big Festival 2019

Este foi o primeiro ano que o evento incentivou a participação dos cosplayers com ajuda da parceira Live Arena. Os cinco cosplayers que tiraram uma foto ao lado do banner do parceiro, marcaram corretamente as hashtags e obtiveram mais likes, ganharam um curso EAD de Cosplayer e Cosmaker.

Os cinco vencedores foram:

Bloom May

Daniel Bom Sangue

instagram.com/fiamanoelyramos

Fly Aguilera

Miuky Meirym

PREMIAÇÃO

Participaram da competição 54 jogos de 22 países: África do Sul, Alemanha, Argentina, Austrália, Áustria, Bélgica, Brasil, Canadá, Chile, China, Colômbia, Costa Rica, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, França, Japão, Malásia, Noruega, Reino Unido, República Checa e Suíça. Eles disputaram em 18 categorias, além de duas competições paralelas. O game Space Routine (Menic Games, Argentina) levou o Humble BIG New Talent Award. E o Grashers (Pink Array, Brasil) ganhou o Nordic Game Discovery Contest e está automaticamente selecionado para participar da rodada classificatória do NG20, em maio de 2020, na Suécia. No domingo, foram divulgado os vencedores – entre 10 times concorrentes – do BIG Festival Facebook Jam: o grande vencedor foi o jogo Lucha Grower, do estúdio Aurecas.

O júri internacional que participou da escolha dos vencedores é formado por Alisher Yakubov da VK Games, Astrid Huntjens da Azerion Games, Chris Buffa da Greenlit Content, Chris Lefebvre da Lion Studios, Martina Santoro da Hatch Games e Naheda Noori da Miniclip. Na categoria de BIG Impact: Melhor Jogo de Diversidade, os games foram analisados pelos jurados André Fischer do Mix Brasil, Carolina Caravana da Aiyra Games, Mata Haggis-Burridge da Breda University of Applied Sciences.

Por sua vez, Fernanda Sarmento do Oi Futuro, Gislaine Batista Munhoz da Microsoft e Ana Paula Gaspar do CIEB selecionaram o ganhador do BIG Impact: Melhor Jogo Educacional. O júri de Melhor Jogo de Estudante ficou por conta do SBGames, enquanto as crianças da Brinquedoteca Terapêutica Senninha do GRAACC escolheram o Melhor Jogo Infantil.

Os jurados Fabio Hofnik do Hyper VR, Pedro Kayatt da VR Monkey e Leandro Sarubbi da VR Gamer selecionaram o Melhor Jogo de XR/VR. Já o Melhor Jogo BIG Brands foi selecionado por Luis Pacete do Meio & Mensagem, Paulo Centenaro da ABRADi e Alexandre Braga da ESPM. O Nordic Game Discovery Contest teve Shirley Lyn da DoGi Games, Justin Berenbaum da Xsolla e Jason Della Rocca do Execution Labs para selecionar o vencedor.

Veja a lista completa de ganhadores:

– Melhor Jogo

GRIS (Nomada Studio), da Espanha

Justificativa do júri: “Completo em todos os aspectos, este jogo proporciona uma experiência emocional singular”.

– Melhor Jogo Brasileiro

Adore (Cadabra Games), do Brasil

Justificativa do júri: “Contando com uma direção de arte interessante e jogabilidade fluida, o jogo representa bem o crescimento do cenário de desenvolvimento de games brasileiros”.

– Melhor Jogo da América Latina

Quantum League (NGD Studios), da Argentina

Justificativa do júri: “Com produção criativa e muito bem executada, o game promove uma releitura interessante do gênero FPS”.

– Melhor Arte

GRIS (Nomada Studios), da Espanha

Justificativa do júri: “O jogo é, em si mesmo, uma obra de arte”.

– Melhor Narrativa

Forgotton Anne (ThroughLine Games), da Dinamarca

Justificativa do júri: “Com um mundo imersivo e um voice acting emocionante, o game trabalha de maneira completa os aspectos narrativos de um jogo”.

– Melhor Gameplay

JUMPGRID (Ian MacLarty), da Austrália

Justificativa do júri: “Ele é super divertido, fácil de aprender, com uma curva de dificuldade progressiva, que torna o jogo tão desafiador quanto viciante”.

– Melhor Som

Unheard (NEXT Studios), da China

Justificativa do júri: “Tem sólido conceito de criação, utilizando os elementos sonoros como parte essencial das mecânicas do jogo.”

– Inovação

Pixel Ripped 1989 (ARVORE Immersive Experiences), do Brasil

Justificativa do júri: “Interessante proposta de metagame, que aproveita ao máximo as potencialidades espaciais e mecânicas da realidade virtual”.

– BIG Impact: Educacional

Cidade em Jogo (Fundação Brava e Flux Games), do Brasil

Justificativa do júri: “Proposta bastante relevante para a educação política. Destaca-se ao exigir do jogador competências como reflexão sobre os desafios e priorização de tarefas”.

– BIG Impact: Questões Sociais

Marie’s Room (like Charlie), da Bélgica

Justificativa do júri: “Uma narrativa muito bem construída, aliada ao impressionante voice acting, garantem a este jogo um potencial de impactar e discutir questões relevantes a partir de uma perspectiva feminina e atual”.

– BIG Impact: Melhor Jogo de Diversidade

Huni Kuin: Yube Baitana (Bobware/Beya Xinã Bena), do Brasil

Justificativa do júri: “Destaca-se ao promover o povo Kaxinawá, trazendo elementos de sua cultura para a construção do jogo. Visibilidade fundamental no cenário contemporâneo”.

– Melhor Jogo de Estudante

Burning Daylight (The Animation Workshop), da Dinamarca

Justificativa do júri: “Com uma atmosfera imersiva aliada com incrível direção de arte e narrativa, este jogo revela que a criatividade e a vitalidade dos games de estudantes estão atingindo um patamar cada vez maior”.

– Melhor Jogo Mobile

Starlit On Wheels (Rockhead Studios), do Brasil

Justificativa do júri: “Bem desenvolvido e otimizado para plataformas mobile, o game se destaca pelas personagens carismáticas e excelente sistema de customização”.

– Melhor Multiplayer

Spitlings (Massive Miniteam GmbH), da Alemanha

Justificativa do júri: “Com uma produção cuidadosamente executada, o jogo garante uma divertida experiência couch fun com os amigos”.

– Melhor Jogo Infantil

It’s Paper Guy! (The Paper Team), da França

Justificativa do júri: “Divertido e cheio de personalidade, o jogo cativa crianças de todas as idades”.

– Melhor Jogo XR/ VR

Moss (POLYARC GAMES), dos Estados Unidos

Justificativa do júri: “Com personagens carismáticos, gráficos surpreendentes e desafios interessantes, Moss expande os conceitos de desenvolvimento para realidade virtual”.

– BIG Brands

Authentic Game Oficial (Little Giants Studio), do Brasil

Justificativa do júri: “Agrega grande valor ao cliente por meio de um jogo divertido, completo e cativante”.

– Humble BIG New Talent Award

Space Routine (Menic Games), da Argentina

– Nordic Game Discovery Contest

Grashers (Pink Array), do Brasil

– Melhor Jogo pelo Voto Popular

Spaceline Crew (Coffeenauts), do Brasil