Despedidas são momentos onde nos encontramos diretamente com sentimentos íntimos demais dentro da nossa cabeça. Por pouco, incompreensíveis.

Esse tipo de situação traz a tona lembranças de momentos variados, traz reflexões a muito esquecidas, pode até trazer sensações antigas, sentidas e já se apagando para dar lugar a outras informações mais pertinentes para sua rotina. Mas de fato, a despedida mexe com aquele que se deixa levar; e hoje, no dia dessa postagem, 23 de março de 2017, um anime vai ter seu último episódio exibido no Japão. Sim! Eu estou falando de Naruto.

Vale lembrar que em 2014 também fizemos uma homenagem com o fim do mangá de Masashi Kishimoto, reunindo diversas artes dos fãs. Confira aqui a NARUTADA! 

Além da Vila da Folha

A adaptação animada do mangá de Masashi Kishimoto começou a ser transmitido em 2002 e somente hoje (intitulado como Naruto Shippuden), em 2017 depois de passagens memoráveis e mais que épicas, ele finalmente chega a sua conclusão. Nesse meio tempo, nosso ninja loiro conquistou mais público do qualquer estagiário da Shounen Jump poderia imaginar; o garoto da Vila da Folha conquistou uma nação além da sua de origem.

Isso é algo a se levar em conta, já que um garoto que nem existe de fato, atravessou a Terra e foi diretamente para seu coração – sim, estou sentimentalista– e indiferente as opiniões adversa sobre a qualidade do anime, ou sobre a quantidade elevada de fillers no mesmo, é um fato que Naruto teve sua relevância incontestável, e obviamente a despedida machuca mais quando o sentimento é realmente verdadeiro.

Bora fazer o Lamen do Naruto? Nós ensinamos você com o SUCO GOURMET. Confira! 

naruto

Naruto influenciou em sua vida?

Só para deixar claro não estou analisando a obra como um todo, esse não é o intuito dessa postagem. Na verdade, assim como no meu caso, quero saber com vocês: Qual a influência que Naruto teve em sua vida? 

Veja bem, meu primeiro contato com Naruto foi há muito tempo, em uma época onde a LAN house era o estabelecimento do futuro. Ainda lembro como fui colocado para ver um saudoso AMV da luta do Naruto e do Sasuke, no vale do fim, com aquela música In The End do Linkin Park. Com certeza você já viu, afinal estamos falando de um clássico do youtube pré-vlog, mas como um simples vídeo de um anime pode mudar tanto a vida de alguém? Simples. (se ainda não conhece, veja aí abaixo). 

Pós esse saudoso vídeo eu descobri um mar de episódios para assistir. Eu nem sonhava com meus 18 anos ainda e já acompanhava a evolução do nosso ninja Uzumaki. Graças ao Naruto eu conheci boa parte das minhas amizades que mantenho até hoje, eu já beijei uma garota por causa de Naruto – Eu escrevi isso mesmo? Uau – Eu pedia para ler Naruto na casa de meus amigos quando saia semanalmente e detalhe; eles nem liam.

Já tive oportunidades de conversar com dubladores (abaixo vocês conferem uma breve entrevista que fizemos na CCXP 2016 com a voz de Kakashi no Brasil, Élcio Sodré) da versão em português em eventos de anime, já discuti fervorosamente Naruto em bares ou em alguma comunidade no falecido Orkut. Já chorei, já sorri, já fui abordado por professores que tomaram um mangá do Naruto que nem era meu no caso… enfim, todas essas situações que de certa forma construíram quem eu sou hoje, são derivadas de alguma forma de um personagem fictício, de um universo fictício.

Um ninja que sempre tinha sua própria maneira de fazer as coisas, que foi aceito por aqueles que mais o desprezaram, também foi até as últimas consequências para trazer seu amigo de volta. Então, o que nos resta é o sentimento de ter um amigo ao nosso lado durante esse tempo de leitura, talvez para alguém que nunca acompanhou uma narrativa sendo construída por tanto tempo. Isso parece coisa de louco, mas eu sei que muitos vão me entender e se lembrar de histórias envolvendo essa obra tão mágica e linda que é Naruto.

Naruto Para Sempre

Por fim quero deixar um comentário bem simples: se não fosse o mangá de Naruto na minha vida, provavelmente ela teria tomado outros rumos. Então, eu agradeço hoje ao universo por me colocar naquela LAN house certa, com o cara certo.

Se não fosse assim, o “eu” de agora não existiria. Pensem nisso enquanto dizem adeus ao nosso amigo loiro, sempre mantendo em mente que tudo pode ser levado em consideração no processo de transformação do ser humano para sua evolução.

Naruto, obrigado!