Anúncio

Há muito tempo que não é visto um filme de trama policial ao estilo década de 80/90, aquela dupla que não se dá bem e precisa resolver o mistério de vários assassinatos, ligando com pistas encontradas e testemunhas questionadas, até resolver o crime em questão.

Agora pega tudo isso e mistura com fantoches, pode parecer estranho e até desinteressante, mas Crimes em Happytime faz um filme de mistério policial com alívio cômico extrapolado, pesando para o besteirol, que mesmo sendo proposital, ele acerta em muitos pontos, fazendo com que seja um blockbuster bem gostoso de assistir – ou pesado, dependendo da sua imaginação.

Crimes em Happytime
Crimes em Happytime (Pôster Divulgação)

A Base de “Crimes em Happytime”

O filme começa construindo aquilo que é a base da trama e o que mais rouba a cena, um mundo entre humanos e fantoches, todo o preconceito racial agora é direcionado para os bonecos.

Um universo diferente que atrai bastante, você vê fantoches sendo dilacerado por cachorros e o elenco trabalha como se aquilo fosse restos mortais de carne, sangue e ossos, e na verdade é apenas algodão e pano, isso é facilmente entendido e todos entram na ideia de que aquilo foi uma chacina, ainda mais quando o protagonista Phil, um fantoche de cor azulada é chamado de azul, e no contexto pareceu que foi uma ofensa racista, o trabalho de roteiro e desenvolvimento da trama foi com certeza o maior marco do filme.

A ideia de trabalhar o açúcar como a droga mais ilícita para os bonecos foi algo genial, fazer uma espécie de cracolândia da fofura com uma fotografia suja e escura chama bastante a atenção, o apelo sexual dos fantoches balanceia entre o hilário e o grotesco, sendo aceito facilmente pelo público, um mundo diferenciado que encobre que por completo a falta de um roteiro mais profundo e óbvio em conclusões.

Crimes em Happytime
Melissa McCarthy stars in The Happytime Murders

Melissa McCarthy continua impecável! 

Mais uma vez temos Melissa McCarthy em um papel de protagonismo humorístico que nos faz chorar de rir, mais uma atuação como policial que coloca aquela mulher grossa e atrapalhada que ainda cativa todo mundo.

Anúncio

O filme é muito bom e gostoso de assistir, contudo já estreou nos cinemas norte americanos e foi um fracasso de bilheteria, sendo essa marca a primeira na carreira de Melissa McCarthy, uma história que lembra muito Vila Sésamo para maiores de dezoito anos, deu o que falar desde seu primeiro trailer, a produtora da antiga série animada não gostou da existência desse filme, envolvendo até um processo que era desconsiderado pelo diretor Brian Henson, filho do próprio Jim Henson, criador dos Muppets, após todo o conflito, o diretor se manifestou: “Eu sabia que a Sesame Workshop não ia ficar muito feliz sobre usar a frase, ‘No Sesame. All Street’, mas, ao mesmo tempo, está literalmente dizendo que não é Vila Sésamo.

Então fiquei surpreso que a Sesame Workshop reagiu de forma tão dura quanto fizeram. Mas, ao mesmo tempo, acho que a reação deles foi mais sobre preocupações em relação ao relacionamento deles com seus patrocinadores e investidores”.

Crimes em Happytime
The Happytime Murders

Besteirol pode dividir opiniões

Crime em Happytime pode dividir opiniões em ser um besteirol com fantoches ou uma trama policial bem desenvolvida, com humor escrachado para maiores, com certeza o público estará bem dividido, mas há seus méritos, trabalhar uma ideia de mundo onde o racismo acontece com fantoches, e fazer um humor adulto com todos esses elementos, é quebrar o tabú de que fantoches são coisas infantis.

Mesmo assim, o besteirol te arranca risadas a ponto de chorar de rir e desconsiderar a história rasa, toda a falta de roteiro pode ser suprido pelas vezes que você vai chorar de rir, com esse pastelão diferenciado de muitos já feitos em terras hollywoodianas.

Anúncio