1998 foi um ano extraordinário. O novo iMac era lançado, houve Copa do Mundo na França, O Resgate do Soldado Ryan e Show de Truman saiam no cinema.

Confira também: Space Dandy | Primeiro Gole

Acima disso, um estúdio subsidiária da Namco Bandai, produtora de animes como Gundam e Inuyasha lançava no mercado japonês uma aventura ambientada em 2071 onde um grupo de caçadores de recompensas eram envolto por um espaço muito maior do que qualquer um na época estava preparado para ver e com personagens carismáticos o suficientes para deixarem uma marca permanente em qualquer cowboy que ousasse ver seus 26 episódios.

Cowboy Bebop foi ao ar em 1998 e desde então, é um dos melhore animes que viu a luz do dia e com suas batidas de jazz da época de 40, colocou o preguiçoso Spike Spiegel nos holofotes.

O que é Cowboy Bebop?

De arte soberba mesmo que antigo, o anime conseguiu e consegue se manter como um dos melhores já produzidos, não só isso, responsável pela popularização dos animes aqui dentro do ocidente, junto com Cavaleiro dos Zodíacos, Neon Genesis Evangelion, Akira e Ghost in Shell. Mas o que é Cowboy Bebop?

Cowboy Bebop conta a história do grupo de caçadores de recompensas mais disfuncionais e a primeira vista, clichê, afinal, Spike é o lutador preguiçoso, Jet Black é o brutamontes calado, Faye Valentine é a trapaceira sexy, Edward é a garota hacker e Ein é um Corgi.

Mas julgamentos a primeira vista são armadilhas frequentes e isso se aplica desde Asteroid Blues até The Real Folk Blues, porque os habitantes da nave Bebop tem um brilho único, são reais desde o momento em que você irremediavelmente está entregue a qualquer coisa que Spike ou qualquer outro tenha em mente, afinal, o espaço é grande o suficiente para 26 episódios e não há momento em que o anime caia em repetição de temas, que não são poucos; amor, drogas, homossexualidade, transsexualidade, solidão, existencialismo.

Nada é espinhoso o suficiente que o anime não saiba tratar de forma tão meiga e carinhosa cada um de seus personagens mais exóticos, desde os caras maus recebem sua dose não só de doçura como de carisma.

See You Space Cowboy

Ver Cowboy é absorver todo o charme dos anos 90 com seus animes memoráveis e histórias marcantes – algo em falta em tempos mais modernos – e de fato, se sentir pertencente a aquela trupe de perdedores em busca da comida do dia seguinte, se maravilhar com a criatividade do time responsável por reunir tantas referências a cultura pop do ocidente como Alien – O Oitavo Passageiro, Bruce Lee, Jean-Luc Goddard, 2001 – Uma Odisseia no Espaço, Dirty Harry, Star Trek e tantos outros.

Não dá pra falar de Cowboy, não é possível traduzir o que See You Space Cowboy significa porque não significa só uma coisa, significa tanto um até logo de um amigo que vai aparecer dia seguinte, quanto um adeus doloroso de alguém que você só vai poder rever em suas lembranças e cada vez que revistar será mais colorido do que a última vez.

“You’re gonna carry on this weight”

CB é uma experiência, é uma música dividida em atos que sozinhos não parecem não fazer sentido, mas juntos são formam uma ode à qualquer aventureiro que ousou pertencer à Bebop mesmo que por pouco tempo.

Isso é Cowboy Bebop e é por isso que ele é um dos melhores animes que qualquer um poderia ver. Não é meramente um passatempo, é muito mais do que isso e no momento que você ler “You’re gonna carry on this weight” já vai estar em prantos sabendo o peso dessas palavras. Não dá pra ser mais claro que isso e que Spike seja eternamente lembrado.

Texto por André Arrais