Filme de 84 do genial diretor e ilustrador Hayao Miyazaki, Nausicaa do Vale do Vento é uma produção que precede o Studio Ghibli, e talvez por isso não seja tão conhecida quanto outros filmes do estúdio.

Leia também: Nausicaa será lançado pela Editora JBC

Assim como a maior parte das pessoas eu demorei a descobrir esse diamante, e somente após os filmes de Miyazaki irem para o catálogo da Netflix eu me aventurei em assistir o filme que é, sem sombra de dúvidas, um dos meus favoritos do diretor.

A história é uma aventura pós-apocalíptica, onde um planeta Terra foi devastado pelo que é chamado de “sete dias de fogo” evento que destruiu a maior parte da população. O que sobrou separou-se em pequenas nações e reinos, separados por uma selvagem floresta tóxica habitada por criaturas misteriosas, os Ohmus.

nausicaa studio ghibli r
Nausicaa do Vale do Vento (Imagem Divulgação)

Nausicaä, a protagonista, é a princesa de uma pequena nação chamada Vale do Vento. Diferente de muitos, Nausicaä não vê as criaturas, ou até mesmo a floresta tóxica (o mar podre) como algo maligno, e ela uma habilidade de interagir com os dois, baseada em respeito e paz. Tudo sai do controle quando uma nação militar poderosa invade o Vale do Vento a fim de usar a região como base para ressuscitar uma antiga criatura – os guerreiros gigantes – mais poderosos membros da raça humana, a fim de destruir o Mar Podre, e retomar o poder do mundo aos humanos.

Baseada em um mangá de mesmo nome pelo próprio Miyazaki, Nausicaä tem mais de trinta anos desde sua estreia, mas poderia estar nas telas agora em 2020, que seria absurdamente atual. Em uma crítica fantástica ao avanço do homem versus a natureza, a obra – mais uma vez – da voz a uma protagonista feminina, forte, inteligente e corajosa que deseja um mundo de menos dor e guerra, através da paz com seus iguais, e seus diferentes.

nausicaa studio ghibli r
Nausicaa do Vale do Vento (Imagem Divulgação)

Com intensas reviravoltas, as quase duas horas de filme passam voando, e nos encontramos apreensivos, sem saber quais fins serão dadas as adversidades, e chorando no final (assim como todos os outros personagens).

O que eu mais gosto em filmes como esse é o quão humanos são as personagens, e mais do que isso, como nessas tramas é mostrada a área cinza da humanidade – não somente, não somente mal.

Assim como a maior parte dos filmes do Miyazaki, a trilha sonora é um espetáculo a parte, porque ela foge do convencional e nos toca daquele jeito que somente gênios conseguem fazer.

Lindo, emocionante, absolutamente espetacular, Nausicaä é uma viagem pela nossa própria sociedade mascarada em uma distopia apocalíptica, clássica, de homemXnatureza, que nos lembra o quão minúsculos e insignificantes somos.

ASSISTA AGORA NA NETFLIX