Quando a criança se torna um adolescente, ele começa o processo de crescimento para se tornar um adulto. Nesse tempo começa a mudança de personalidade, emocional e mente passam por grandes choques da vida, e os pais estão lá para ajudar, mas o adolescente acha que pode dominar o mundo sozinho, mas se você não têm filhos, talvez não saiba o sentimento dos pais diante a isso.

Até que veio a Sony Pictures e fez um dos filmes mais imersivos que eu já vi – não lembro de outro o qual você se coloca no lugar de um personagem e vive aquilo que está vivendo – de forma tão real quanto Buscando, e ainda por cima produzido da forma mais simples e básica de todos os tempos.

Buscando
Buscando (Pôster Divugação)

O Crescimento

O filme conta a história de uma criança, a qual ela cresce, e passa por um terror infelizmente normal da sociedade que é o sequestro. Imagina o terror do pai para procurar a filha, e isso é mostrado de uma forma tão espetacular que parece ser sua filha que desapareceu, mesmo não tendo uma, dá vontade de levantar da cadeira e ir ajudar a procurar.

Todo o filme é feito na tela de um computador ou smatphone, todas as cenas são feitas de transmissões de chamada de vídeo por inúmeros aplicativos, todo o tipo de rede social presente no filme chega a assustar, e a maior parte dele é o bate papo de um messenger qualquer entre pai e filha onde desenvolve aquela discussão familiar e apego emocional comum.

Tudo isso acaba quando acontece o sequestro, a trama começa a correr e você vai junto sem atropelo, pois todos estão cem por cento imersivos no filme, e o final te mostra a genialidade de trabalhar a perfeição em uma simplicidade mais óbvia do dia a dia, fazendo ligações com fotos, vídeos e áudios feitos por aplicativos.

Buscando
Buscando (Imagem Divulgação)

Imersão Perfeita

Se a imersão já foi perfeita e concluída, a trama ainda tinha o suspense desse terror de filha sequestrada o qual você acaba vivendo, misturando o alívio cômico do pai na internet com todas as situações que ele passa quando está procurando e os plots da conclusão da história, é uma junção de explosões de cabeça que dá vontade de rever o filme em looping.

O filme ainda traz uma realidade assustadora de como são as pessoas no dia a dia, a garota tinha muitos amigos no Facebook, mas não falava com ninguém, era anti-social, provando a vida artificial que muitos vivem, e isso só é confirmado quando a garota some e muitos desses “amigos” começam a fazer dedicatórias, inclusive uma que não é amiga dela faz um vídeo dizendo que ela era sua melhor amiga, sendo que nunca andava com ela.

Simplesmente sensacional e aterrorizante o quão verídica essa mensagem foi passada e absorvida, além do sensacionalismo feito quando o pai é colocado como culpado, e tudo isso acontece por causa de um perfil fake que originou toda a trama do filme

Buscando
Buscando (Imagem Divulgação)

Ficção vs Documentário

O que aparentava ser simples, chega a ser uma trama extremamente imersiva e totalmente verídica, faz com que o filme Buscando entre na linha do filme Tropa de Elite 2 e possa ser comparado a um documentário

Infelizmente pode ser relacionado com a realidade e as vezes que as pessoas são enganadas dessa maneira deve estar na casa dos milhares, fazer isso num filme reflete bem essa situação, e ainda sucumbe a cabeça com tantas situações reais do dia a dia e ainda viver o terror de um pai procurando a sua filha sequestrada, tudo por uma tela de computador.

REVIEW
Buscando...
Artigo anteriorDivulgada capa do crossover entre Turma da Mônica e Liga da Justiça!
Próximo artigoDivulgado visual da última temporada de Fairy Tail
Baraldi
Editor, escritor, gamer e cinéfilo, aquele que troca sombra e água fresca por Netflix e x-burger. De boísta total sobre filmes e quadrinhos, pois nerd que é nerd, não recusa filme ruim. Vida longa e próspera e que a força esteja com vocês.