among us
Anúncio

Na quinta-feira passada, diversos jogadores do popular jogo, Among Us, se depararam com uma série de spams nos bate-papos do jogo, no que parece ser um ataque cibernético ao game desenvolvido pela InerSloth.

O objetivo do jogo consiste em uma união dos players para descobrir quem é o impostor dentro do mapa e expulsá-lo, antes que ele mate os outros tripulantes inocentes. Para isso, uma das principais ferramentas disponíveis para os participantes é o bate-papo, que funciona como lugar de debate para que os jogadores se organizem e tentem descobrir quem são os impostores. Justamente essa ferramenta foi o alvo dos ataques.

Nos spams, algumas mensagens promoviam um canal no youtube com o nome de “Eris Loris”. Outras, ameaçavam comprometer os dispositivos dos jogadores, caso não fosse realizada a inscrição no canal. Também houveram mensagens que mencionavam o atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump (que concorre à reeleição do cargo nos EUA).

No canal do youtube promovido nos spams, aparentemente, eram oferecidos cheats e hacks do jogo. Porém, deve-se dizer que, no canal atualmente disponível na plataforma de vídeos, não é possível afirmar que se trata do mesmo “Eris Loris” (ou quem seria “Eris Loris”). Apesar do número razoável de inscritos e visualizações de alguns vídeos de conteúdo duvidável, não é possível determinar a veracidade do conteúdo originalmente publicado pelo suposto hacker.

A InnerSloth já investiga o ocorrido e lançou uma atualização emergencial para resolver o problema antes que ele causasse mais transtornos dentro dos servidores. O estúdio recomendou que, enquanto o problema não fosse resolvido, os jogadores deviam priorizar jogar em servidores privados, com pessoas de confiança.

“Estamos cientes do recente problema com hackers e já estamos investigando. Estaremos realizando uma atualização de emergência […]. Por favor, joguem em servidores privados ou com pessoas de confiança. Aguentem firme!”

A atualização de emergência foi enviada por Forest Willard, um dos desenvolvedores de Among Us, na mesma noite. O desenvolvedor comentou que gostaria de ter atualizado o jogo antes, porém tinha medo de um bug que indicaria falsos positivos. Com a crescente gravidade da situação, Willard se viu forçado a realizar o update mesmo com o possível bug e alertou que alguns jogadores poderiam ser alertados por utilizarem de hack, mesmo que não utilizassem nenhum.

“É válido notar que a razão pela qual eu não implementei a atualização antes foi o medo de falsos positivos. Há chances de que o jogo ache que você está hackeando, mesmo que você não esteja. Eu realmente tentei achar esse bug, mas minhas mãos estão atadas no momento” [Tweet publicado na madrugada de 23/08/2020)

Para Camilo Gutierréz Amaya, chefe do Laboratório de pesquisas da ESET na América Latina ( A ESET é uma empresa de segurança da informação que analisou o caso): “No contexto de uma pandemia, os criminosos buscam novas formas de aproveitar o número de usuários conectados, com foco principalmente nas plataformas mais populares, neste caso os jogos. Embora neste caso, ao não acessar o link não haja maior risco, é importante estar atento, manter-se informado dos riscos a que está exposto e ter em nossos aparelhos um aplicativo de segurança que nos proteja contra essas ameaças.”

Para saber mais sobre segurança da informação, entre no portal de notícias da ESET.