Anúncio

Como já visto em nosso artigo especial com os desenvolvedores que encontramos na Campus Party Natal (Veja AQUI), outro destaque do evento foi com a participação do Meninas Também Jogam, com a Tainá Medeiros promovendo diversas atividades para o público presente.

Sua palestra mostrou o forte crescimento do público gamer feminino (atualmente a maioria do público gamer brasileiro, com mais de 56% de participação), bem como explicou a importância de desmistificarmos o mito de que as mulheres “não jogam videogame” ou de que “só jogam jogos fofinhos” e as considerarmos como público válido e digno de respeito no desenvolvimento de jogos, na comunidade gamer e na indústria como um todo.

Além disso, Tainá mostrou um pouco de como é o caminho das pedras para quem deseja entrar nesse disputado e aquecido mercado: ela detalhou um pouco do processo de se criar um jogo, como as empresas de desenvolvimento funcionam e se organizam, explanou as funções, tarefas e atribuições dos profissionais envolvidos na criação de um jogo digital e mostrou o quão multidisciplinar o ofício de desenvolvimento de jogos digitais pode ser.

Meninas Também Jogam em apresentação na Campus Party Natal
Meninas Também Jogam em apresentação na Campus Party Natal (Imagem Divulgação)

Por fim, Tainá apresentou seu grupo de estudos e projeto de fomento, o Meninas Também Jogam, que visa oferecer cursos e material de estudo, bem como estimula o interesse e a entrada de novas garotas na indústria de jogos digitais.

Texto por Giancarlo Silva

Anúncio