Depois de um longo período em hiato, e provavelmente frequentando os jogos do New York Knicks, Spyke Lee aparece com sua mais nova produção, ou melhor dizendo, obra prima.

Infiltrados da Klan traz para nós um filme divertido e engraçado com situações muito sérias que estão sendo vividas na sociedade norte americana, e em tempos de eleições nacionais, também serve para os brasileiros, é aquele filme ao estilo dedo na ferida que não só reflete como diverte.

Infiltrado na Klan
Infiltrado na Klan (Imagem Divulgação)

Inspirações

Inspirado em uma história real, um policial negro se infiltra na Ku Klux Klan para prender todos aqueles que partilham da ideia da organização racista, trazendo uma trama um tanto pesada e difícil de digerir com um assunto que toma as manchetes do mundo a cada dia, Spyke Lee fez com que o filme fosse facilmente absorvido, mesmo estando presente com tanto racismo e cultos de supremacia branca, o gênero comédia domina quase que por completo em cenas de preconceito, juntando sátiras que remetem muito a um certo presidente alaranjado em terras gringas.

O humor faz com que o desenvolvimento do filme flua tão bem que nos divertimos e choramos de rir quando se assiste, sem esquecer a mensagem que tudo aquilo está passando, tudo envolvido em uma fotografia desgastada, claro que por causa da época, o ano é 1978 e negros com black power lutam por seus direitos enquanto rednecks fortemente armados idolatram a ideia de negros serem queimados como se fossem uma “raça suja”, mais uma vez o destaque para o alívio cômico do filme, senão Infiltrados da Klan seria um documentário que seria bem difícil de assistir pelas fortes cenas, mas que era necessário para conscientizar as pessoas que consideram racismo uma frescura.

Infiltrado na Klan (Imagem Divulgação)

Destaques

Quando se fala de racismo, sempre se nota uma atuação de destaque no elenco presente, como em Mudbound – Lágrimas do Mississipi, porém os holofotes passam de um ator a outro sem ofuscar o próximo, a começar por John David Washington, o protagonista do filme se mostra bem solto e lida bem com a situação de racismo, mesmo ainda estando incomodado.

Porém, a tranquilidade dele em meio a tantos supremacistas brancos impressiona e faz com que seja uma das melhores cenas do filme, estando presente com o infiltrado da polícia, que vem a ser seu parceiro logicamente, Adam Driver parecia não ter grande destaque na trama mesmo que ele esteja no cartaz do filme, porém ele vai escalando a sua presença em tela constantemente, junto com a atuação que foi espetacular, por alguns instantes você até esquece de que ele ainda é o vilão da nova franquia Star Wars, ele está naquela categoria de atores que se mostra muito talentoso e pode fazer outros filmes sem ser rematado a personagens mais conhecidos.

Trazendo esse tema de racismo nos EUA, o filme soube trabalhar isso de forma ácida, ao terminar o filme, Spyke Lee não poupou os olhos de quem for assistir e fez questão de colocar filmagens das marchas neonazistas e supremacistas brancos que ocorreram em tempos de eleições nos Estados Unidos, se analisar tudo o que já foi feito, Trump pode colocar a grande terra prometida em uma crise gigantesca, por seu ego inflado e rejeição alta, tantos os neo conservadores quanto a classe alta já estão começando a mudar de ideia sobre o atual presidente, isso deve ser citado porque esse filme traz exatamente isso, mas levado para o lado das ideologias racistas, e em meio a eleições para segundo turno, ao final do filme houve gritos de “ele não”, mostrando que as situações podem ser bem parecidas.

Infiltrado na Klan
Infiltrado na Klan (Imagem Divulgação)

Conscientização

Infiltrados da Klan é um filme de conscientização divertido que deve ser assistido por todos, para os que precisam refletir sobre tempos atuais, e para os que desejam um filme extraordinário, Spyke Lee é o grande responsável por essa produção maravilhosa, em tempos de premiações, esse filme deveria ser lembrado, já que em Festival de Cannes, ele já levou um prêmio.

É o tipo do filme que te traz dois sentimentos, a felicidade com as situações engraçadas que te faz chorar de rir, e a tristeza de que tempos difíceis virão e podemos passar por situações já vividas em terras brasileiras, independente de tudo, obrigado Spyke Lee por essa obra de arte que foi assistida.