Anúncio

Anunciado em meados de 2019, Genshin Impact trazia um hype grande dentro da redação do SUCO, até finalmente, no fim de setembro ter seu lançamento oficializado para PC, Android, iOS e PlayStation 4.

Produzido pela miHoYo, empresa chinesa e conhecida por Honkai Impact, o jogo é gratuito e cross-plataform entre iOS, Android e PC, onde o jogador pode acessar sua conta onde estiver com o dispositivo que tiver em mãos. Ainda não entendemos do porquê usuários do PS4 não ter esta opção.

Uma versão para Nintendo Switch deve chegar ainda este ano.

Leia também: 

Bem vindos a Capital da Liberdade

*Neste REVIEW, falaremos especificamente do Prólogo, arco que se passa na primeira região do jogo, Mondstadt. Quanto a História do jogo, outro artigo – sobre os mangás – deve sair no futuro. 

Logo nos primeiros minutos, temos o vislumbre do mundo colorido e muito criativo de Teyvat. O RPG de Ação feat. Gacha , nos moldes de The Legend of Zelda: Breath of the Wild, traz um cenário inspirador e cheio de segredos para você descobrir e missões para cumprir.

Escolhendo um dos protagonistas (ou um gênero), controlamos o Viajante de origem desconhecida e em busca de seu irmão perdido, junto a diversos outros personagens, conseguidos através de invocações (ou pela história), cada um com sua própria jogabilidade.

É um clone de Zelda?

Sim! Mas também vai além disso, começando por uma história original e um sistema de missões criativo. Desenvolvendo-se em um mundo aberto, Teyvat, o jogador têm a opção de explorá-lo como “Link”, a pé, escalando, nadando e até planando; neste último, você troca o paraglider de Zelda:BOTW por asas em Genshin Impact. 

O personagem também não fala! Próximo ao sistema Link x Navi de Ocarina of Time, em Genshin Impact temos a Paimon, uma “fada” que serve de ferramenta de trama e dá a luz do túnel para avançarmos no jogo. Próximo do jogo da Nintendo, temos um mapa que pode ser explorado por completo, com criaturas, segredos e enigmas a serem resolvidos, entretanto, um plus é de que você pode controlar até 4 personagens “simultaneamente”, fazendo trocas ágeis durante o combate ou na resolução de problemas no mapa.

Trazendo elementos do RPG, temos habilidades, magias, combos, sistema de aprimoramento de personagens, armas, talentos e artefatos, cooldown entre trocas e gerenciamento de energia. Tudo isso é somado ao sistema de gacha que o jogo traz, próximo ao que vemos em Fire Emblem Heroes ou num Fate/Grand Order, onde até o momento temos em torno de 25 personagens jogáveis – muitos vindo apenas pelo sistema de invocações.

Gratuito? Pay to Win? 

Já sabemos que o gênero gacha é considerado nocivo por parte da comunidade gamer, mas em Genshin Impact temos o contraponto de ter um “Modo História” single-player interessante, além de uma jogabilidade que não deve em nada em muitos jogos triple A.

Mesmo sendo gratuito, o trabalho que a miHoYo teve em balancear combates (deixar algo que funcione no mobile e nos consoles/pc, por exemplo), roteirizar missões e polir a jogabilidade é louvável. Vale ressaltar também o exímio trabalho dos efeitos de luzes, sonoros e claro, da linda trilha sonora de Yu-Peng Chen (já disponível no Spotify).

Quanto ao fator “pay-to-win”, ainda não temos um “mid” e “late” game concreto, então analisar o aspecto atualmente de seu sistema não é interessante. Ainda sem grandes atualizações, e uma loja com poucos itens – e sem cosméticos – não é possível analisar as reais intenções da miHoYo. Por ora, o jogador gasta dinheiro se quiser buscar mais personagens… e só. 

Multiplayer e Localização

Posso pontuar dois aspectos negativos e que podem ser consertados com o decorrer das atualizações. O primeiro, é referente a sua localização. É muito bacana a empresa lançar um jogo com legendas em português, e nos sentimos lisonjeados com isso. Entretanto, a falta de revisão é gritante. São diversos erros de concordância gramatical e de codificação.

Em diversos diálogos é possível ver que o trabalho de tradução foi feito de forma automatizada e não com profissionais especializados em letreiramento ou algo do tipo. Esperamos que estes erros (pequenos, mas que incomodam), possam ser solucionados.

Na parte mais técnica e da codificação, é possível ver algumas sintaxes da Unity que não foram codadas corretamente, seja por falta de atenção ou pela não depuração. São vários momentos em que é possível vislumbrar uma falta de parênteses no jogo – como quando o programador quer mostrar uma cor diferente na caixa de diálogo.

Agora, o maior problema e que pode ser decisivo para sua longevidade é o modo multiplayer. Entendemos que a miHoYo queira manter sua jogabilidade single-player coop, algo próximo do que vemos na franquia Diablo, por exemplo, mas a limitação imposta a jogadores visitantes é incompreensível.

Entendemos da limitação de baús (explico mais abaixo), onde é possível farmar apenas em seu próprio mundo, mas não ter recompensas palatáveis no mundo de seu amiguinho não é algo que motive a cooperatividade. Esperamos que nas próximas atualizações o sistema de coop melhore e que tenhamos mais interatividade e recompensas!

Sobre a limitação de baús: caso seja possível abrir baú no mundo de outros jogadores, será possível ficar farmando e saltando de mundo em mundo numa mesma localização, o que pode gerar desbalanceamento de um jogo saudável. 

 

Além de Mondstadt

Genshin Impact se mostrou um jogo grandioso e em suas duas regiões é possível tirar proveito de horas e horas facilmente. De forma informal, calculo algo em torno de 20 horas o Modo História de Mondstadt, tido como Arco do Arconte: Prólogo. Já passando para a região de Liyue, que é muito mais extensa que a primeira, o jogo pode beirar as 50 horas de muito conteúdo.

A partir daí, o modo gacha entre em jogo, e no momento em que estou, a jogatina se resume a gastar resinas, fazer missões diárias e upar um ou outro item. Com sete áreas planejadas (já temos duas), Genshin Impact têm de tudo para ser uma franquia duradoura e esperamos atualizações mais frequentes de seu Modo História; queremos desbravar Teyvat! 

BAIXE GENSHIN IMPACT AGORA