O filme estreou no dia 21 de dezembro na Netflix e anda dando o que falar. Bird Box é baseado no best-seller Caixa de Pássaros, de Josh Malerman, e segue a aventura de Malorie (Sandra Bullock) e seus filhos em busca de um refúgio para fugir de entidades que fazem as pessoas se matarem.

Num climão pós-apocalíptico, o plot já é bem conhecido do público e nos remete a obras como O Livro de Eli, Um Lugar Silencioso, Fim dos Tempos e a fatídica temporada de The Walking Dead onde o grupo busca pelo Santuário.

A Maldição da Residência das Janelas Cobertas

Podemos dividir o filme em dois: Sandra Bullock e seus figurantes e Sandra Bullock e seus filhos.

Os dois primeiros atos do longa são sofríveis, passíveis de bocejos, salvo em alguns momentos pelas atuações automáticas (mesmo assim) de Sandra Bullock e John Malkovich, que dão cores e dinamismo para a trama rolar.

Todo o resto do elenco, inclusive Rosa Salazar, são meros figurantes na trama. Cada um expõe suas peculiaridades, alimentam o roteiro com linguiças e simplesmente são descartados. Não fazem falta nenhuma.

É importante ressaltar o contraponto das grávidas, vividas pela protagonista e Danielle Macdonald, onde a primeira não almeja uma perspectiva de vida com os filhos e trilha seu caminho de descoberta, enquanto a segunda traz a esperança e acredita na bondade das pessoas. Já sabemos o que acontece com personagens muito bondosos, não?

bird box
Bird Box (Imagem Divulgação)

Linhas Temporais

Para um melhor dinamismo, Bird Box traz duas linhas temporais, uma acompanhando diretamente dos eventos que vem ocorrendo e causando o caos na humanidade, e a outra anos depois, no presente, com a protagonista em busca de uma comunidade protegida, onde deve atravessar um rio por dois dias.

É no presente que temos as melhores atuações de Bullock, das crianças (principalmente da Garota) e uma tensão realmente é gerada. Outra obra que me remeteu por aqui, foi com The Last of Us, em como Joel e Ellie constroem um laço entre eles, uma ferramenta que poderia ser bem vinda por aqui.

Apesar do longa ser uma adaptação de um livro, a diretora Susanne Bier admitiu trazer algumas mudanças e deixar a trama mais positivista – e com um final mais feliz. Com isso, era válido mudanças também no roteiro para uma melhor execução e desenvolvimento de personagens, o que não se teve por aqui.

bird box
Bird Box (Imagem Divulgação)

A Entidade que não se pode ver

O ponto que mais gerou burburinhos nas interwebs e teorias mirabolantes, é quando se trata das Entidades misteriosas. Têm comparativos lovecraftianos por aí também – tão tentando botar os Cleiton em tudo que é lugar…

Apesar das teorias serem meramente especulativas, é válido tratar dos simbolismos que a trama carrega. Mas obviamente, cada um terá o significado que mais lhe convém – o que deve ser a proposta dos produtores do filme (não sei se o livro traz alguma resposta explícita para o caso).

Da mesma forma que em Aniquilação, também disponível na Netflix, a origem do bichão não é o importante para a trama – e nem mesmo suas ações em si. É legal ter o Gore? É! Mas convenhamos que há muitos outros filmes que tratam disso muito melhor.

Bird Box trabalha com a tensão do desconhecido; dos distúrbios de personalidade que uma eventualidade causa no ser humano; e o mais importante, cerne da trama, que é a aceitação do “viver”.

Falar, até papagaio fala. 

Um ditado popular, que cabe bem por aqui. Este é mais um filme que conta com um bom argumento, mesmo que adaptado de um livro, elabora um bom vilão (com bons cortes e edições), mas falha miseravelmente em sua execução e desenvolvimento.

É interessante ver a criação de memes e textos pela comunidade, o que dá margem a algo ainda maior para os produtores – quem sabe uma série? Bird Box deve cair naquele hall de filmes que será lembrado por teorias mirabolantes, esquecível por seus diálogos cafonas e desenvolvimento automático.

ASSISTA AGORA NA NETFLIX