Anúncio

De acordo com as informações divulgadas na pesquisa realizada pela Betway Insider em parceria com um cientista de dados, o Brasil está se encontra atualmente no top 3 em relação ao número de pró-players que atuam no cenário competitivo dos principais jogos da atualidade.

E embora o País tenha uma série de jogadores reconhecidos mundialmente, ainda está longe do ideal para se configurar na primeira posição em relação ao número de profissionais que disputam partidas oficiais.

Entre os melhores avaliados estão entre os mais populares nas modalidades de “Multiplayer Online Battle Arena” (MOBA), que significa “arena de batalha online para vários jogadores”, e FPS, sigla para First-Person Shooter, ou Tiro em Primeira Pessoa. Atualmente, os títulos com mais profissionais em todo o mundo são CS:GO, LoL, DOTA 2 e Valorant.

Ainda segundo a apuração da reportagem, a nacionalidade dos profissionais desses cenários costuma variar, mas a maior concentração atualmente fica na Europa.

CS:GO

No jogo Counter Strike: Global Offensive, ficamos em terceiro lugar no número de pró-players que atuam nos campeonatos, com diferença de apenas 16 jogadores oficialmente registrados em alguma equipe em relação ao segundo lugar.

Atualmente, a Suécia é o país que possui mais jogadores profissionais em todo o mundo, contabilizando 328 dos 2.940 usuários. Enquanto isso, o segundo lugar é dos Estados Unidos, com 212 players, enquanto o Brasil conta com 196.

Anúncio

Embora mais de 50% dos profissionais sejam do continente europeu, o destaque é da América, que reúne alguns dos nomes de maior destaque da história de CS:GO, como Stewie2K, FalleN, TACO e boltz;

Inclusive, foi o jogador brasileiro, FalleN, que ajudou no crescimento da modalidade competitiva no Brasil.

Valorant

A especialidade brasileira está nos jogos de tiro, uma vez que estamos em segundo lugar no número de pró-players desse cenário, com 130 jogadores oficiais e equipes registradas em campeonatos mundiais.

O jogo só foi lançado pela Riot Games em 2020, e, com apenas dois anos, foi capaz de reunir  1.846 pró-players em todo o mundo.

Segundo o levantamento da nacionalidade dos profissionais feito pela equipe jornalística do site de bets em e-Sports Betway, o país que ocupa o primeiro lugar no ranking, por enquanto, são os Estados Unidos, com 278 competidores.

Em terceiro lugar se destaca a Turquia, que vem sendo rival do Brasil em diversas modalidades há muitos anos, e possui 95 dos profissionais que desempenham gameplays oficiais dentro de Valorant.

Mesmo assim, a América ainda possui o maior número de jogadores, somando 326 em todo o continente.

Além disso, o destaque das equipes brasileiras foi notícia em todo o mundo no último campeonato mundial. Em 2021, por exemplo, as manchetes ganharam destaque quando a equipe da LOUD se destacou, invicta, durante os principais chaveamentos.

Por que o Brasil não se posicionou entre os pró-players dos demais jogos?

De acordo com a pesquisa da Betway, o Brasil está em quarto lugar no número de jogadores profissionais de League of Legends, e ocupa o oitavo lugar na avaliação de nacionalidades do jogo DOTA 2.

A posição expressiva em ambos os games pode ser explicada pela dominância asiática no cenário de MOBA.

Atualmente, a China detém 266 dos 1.517 pro players de DOTA 2, além do continente apresentar quase 800 profissionais de outros países.

Isso acontece porque a desenvolvedora Valve, responsável pelo jogo, é uma empresa chinesa, e desde o lançamento do jogo ele se tornou parte da cultura local do país. Inclusive, se tornou matéria de universidades em 2014.

Esse posicionamento oficial incentivou a adoção da carreira de jogador profissional entre os usuários, levando a China a se destacar e participar de mais campeonatos. Enquanto isso, a última competição oficial de DOTA 2 que um time brasileiro disputou foi em 2018, de modo que o jogo não é tão difundido em nosso país.

Enquanto isso, o Brasil conta com uma posição mais próxima do top 3 em League of Legends, no quarto lugar de pró-players, inclusive com nomes reconhecidos mundialmente, como BrTT e FNB.

No entanto, a dominância ainda é asiática, com destaque para a China, com 232 profissionais, e a Coreia, com 200. O terceiro lugar é dos Estados Unidos, com 164 jogadores, apenas 18 a mais que o Brasil, atualmente com 146 pró-players registrados.

Por esse motivo, é esperado que nosso país volte a se posicionar bem no ranking dos principais jogos competitivos do cenário mundial, além de continuar tendo nomes de destaque e incentivando a carreira de novos jogadores.

Anúncio