balada hua mulan
Anúncio

Para a maioria das pessoas não asiáticas do mundo, foi a partir da animação de 1998 da Disney que conhecemos Mulan, uma jovem chinesa que se disfarça de homem para lutar na guerra no lugar de seu pai. Essa história é, na verdade, baseada num poema chamado A Balada de Hua Mulan. O livro mais antigo que consta o poema é do século 12, mas pelas referencias histórias estima-se que as histórias presentes no livro são de períodos anteriores e foram passados de geração em geração desde o século 5.

A Balada de Hua Mulan é considerada uma lenda na China, pois não há provas concretas que ela realmente existiu, acreditasse que ela tenha vivido durante a Dinastia Wei do Norte, que durou de 386 d.C a 534 d.C.. Por se tratar de uma lenda tão antiga, há algumas variações da história. Diferentemente da animação, na qual a Mulan não era nada habilidosa antes de iniciar seu treinamento no acampamento de guerra, em uma das versões, Mulan nasceu num vilarejo conhecido pela prática de artes marciais como Kong Fu e luta com espadas, então antes mesmo de entrar para o exército ela já sabia lutar muito bem.

Na animação, Mulan não tem irmãos, mas algumas versões afirmam que ela tinha dois irmãos mais novos. Todas as histórias seguem o mesmo fluxo quando se trata do imperador ordenando que um homem de cada família lute na guerra contra os mongóis Rouran e tribos nômades que estavam invadindo o norte da província chinesa. Mulan sai de casa aos 18 anos e volta depois de servir seu país por 12 anos, lutando bravamente e alcançando diversos cargos de liderança durante esse período.

Algumas versões contam que após anos na guerra, Mulan se veste como mulher antes de uma batalha importante para inspirar seus companheiros, que a seguem sem hesitação depois de terem lutado lado a lado tanto tempo. Apesar das diversas versões que existem, todas elas contam que ao descobrir a verdadeira identidade de Mulan depois que a guerra acaba, o imperador reconhece sua grandeza e importância, lhe oferecendo um alto cargo ao seu lado, o qual ela recusa pois seu único desejo é voltar pra casa.

Se você se interessa mesmo que um pouco pela história da Mulan já deve ter visto na internet muitas versões, algumas delas sombrias e com finais tristes, mas devemos lembrar que essa é uma lenda e mesmo que não seja verdade, foi usada para inspirar os cidadãos chineses em diversos períodos turbulentos da história da China, o que não faria sentido, portanto, ela ter um final trágico.

Alguns estudiosos acreditam que A Balada de Hua Mulan foi inspirada em duas mulheres nômades da tribo Xianbei que ficava no norte da China, mas ainda não há nada confirmado. Sabendo que a guerra contra os Rouran realmente aconteceu e que a China passou por diversos ataques étnicos, é provável que a lenda seja inspirada em diferentes mulheres que lutaram ao longo dos anos e foram todas condensadas na personificação de Hua Mulan, o que na minha opinião deixa tudo ainda mais bonito: todas aquelas mulheres que lutaram na guerra e tiveram seus nomes esquecidos, todas elas são Mulan.

Anúncio

Leia uma das versões de A Balada de Hua Mulan traduzida para o português:

“Suspiro após suspiro,
Mulan tece diante de sua porta.
Ninguém pode ouvir o som do tear,
apenas os suspiros da pobre menina.
Pergunte-a quem está em seu coração,
ou quem está em sua mente.
Ninguém está em seu coração,
e ninguém está em sua mente.

Ela viu os rascunhos militares ontem à noite,
Khan está convocando muitos soldados.
Uma dúzia de listas rascunhadas,
cada uma com o nome de seu pai.
O pai não tem um filho crescido,
Mulan não tem irmão mais velho.

Ela decide adquirir um cavalo e sela,
e alistar-se em lugar de seu pai.
No mercado leste, ela compra um cavalo,
no mercado oeste, uma sela.
No mercado norte, ela compra um freio,
e, no mercado sul, um longo chicote.

À alvorada, ela se despede de seu pai e de sua mãe,
ao anoitecer, ela acampa às margens do Rio Amarelo.
Ela não podia ouvir os pais chamando pela filha,
apenas as águas do rio fluindo.
À alvorada, ela deixa o Rio Amarelo,
ao anoitecer, ela chega à Montanha Negra.
Ela não podia ouvir os pais chamando pela filha,
apenas os cavalos selvagens na vizinhança do Monte Yan.
Viajando dez mil milhas ao encontro da batalha,
passando montanhas e serras como se voando.

Ventos amargos carregam os sons do sino do vigia,
uma luz pálida brilha em sua armadura de ferro.
Generais morreram em uma centena de batalhas,
os soldados mais fortes retornaram após dez anos.
Eles retornaram para encontrar o imperador,
o Filho do Céu sentado no palácio imperial.

Ele recordou seus méritos em doze pergaminhos,
e concedeu centenas de milhares de recompensas.
O Khan pergunta a Mulan o que ela deseja,
um título de grande ministro não tem utilidade para Mulan.
Ela pede uma montaria rápida para levá-la a milhares de milhas,
e trazer a filha de volta para casa.

Quando pai e mãe ouvem sobre sua chegada,
eles se apoiam até o portão da cidade.
Quando a irmã mais velha ouve sobre sua chegada,
ela se adorna e a espera em sua porta.
Quando seu irmão mais novo houve sobre sua chegada,
ele afia a faca e prepara o porco e a ovelha.

‘Abram a porta de meu quarto ao leste, eu sento no sofá de meu quarto ao oeste.
Removo meu uniforme de guerra, e visto minhas roupas dos velhos tempos.’

De frente para a janela, ela prende seus cabelos macios como nuvem,
no espelho, ela põe flores amarelas.
No portão, ela encontra seus camaradas,
eles ficaram todos surpresos.
Lutando juntos por doze anos,
eles jamais suspeitaram que Mulan fosse mulher.

Lebres macho gostam de chutar e pisar,
lebres fêmeas têm olhos enevoados e acetinados.
Mas se as lebres correm lado a lado,
quem pode dizer qual é ele ou ela?”

Leia mais sobre Mulan no Suco de Mangá! 

Anúncio