Anúncio

Em suas duas primeiras saídas como cineasta, Cooper Raiff se concentrou em personagens universitários e pós-universitários que não sabem para onde estão indo na vida, mesmo que a carreira de Raiff esteja claramente na direção certa. Seu longa de estreia em 2020, Shithouse, foi uma verdadeira surpresa: uma história de cachorrinho desarmado de um calouro de faculdade solitário tentando encontrar seu lugar entre seus colegas.

Andrew, o personagem principal do longa Cha Cha Real Smooth, está um pouco acima da idade, mas também está gaguejando e tropeçando da maneira cativante que esperamos de um personagem concebido e interpretado pelo jovem de 24 anos. Raiff conseguiu criar um nicho refrescante para si mesmo, evitando tanto o olhar para o umbigo sem orçamento do movimento mumblecore quanto a postura da comédia homem/criança. O que sobrou parece cuidadosamente elaborado, solto e natural; uma prova de sua capacidade de canalizar a inquietação de sua geração de uma maneira que é menos uma festa de pena e mais reconhecível em busca e, finalmente, esperançosa. Cha Cha Real Smooth pode parecer ansioso demais para ser amado, e Raiff às vezes chega perigosamente perto de exagerar na mão. No entanto, o filme mostra de uma maneira engraçada de que a masculinidade pós-milenar não precisa ser tóxica.

O tipo de virilidade de Raiff encontra amplo espaço para empatia, e tanto quanto Andrew é definido por sua seriedade desajeitada, ele também é definido por como ele trata as mulheres em sua vida, especialmente aquelas que precisam de seus cuidados emocionais. Essas atitudes podem ser rastreadas até a abertura do filme, quando um pré-adolescente Andrew (Javien Mercado) declara que se apaixonou pela mulher que viu brevemente chorando em uma escada em um bar-mitzvah. Ela o derruba com ternura, mas o que ele descobre sobre si mesmo entra em jogo 10 anos depois que Andrew se forma em Tulane e volta a morar com sua mãe (Leslie Mann) e padrasto (Brad Garrett).

Perdendo tempo trabalhando na praça de alimentação de um shopping, Andrew está preso naquele limbo pós-universitário, ele não tem outra direção além de beber, ficar chapado e ansiar por sua namorada que está morando no exterior. Tudo muda quando seu irmão mais novo, David (Evan Assante), pede que ele o acompanhe a um bar-mitzvah. A festa é um fracasso até que Andrew trabalha na sala e coloca todos na pista de dança. Logo, todas as mães locais de Nova Jersey começam a contratar Andrew para dar vida aos bar-mitzvahs de seus filhos.

Raiff faz uma escolha ousada de usar bar e bat-mitzvahs como trampolim para a jornada de Andrew para a maturidade. Esses ritos religiosos de passagem (e festas de dança cheias de constrangimento) marcam a transição de uma criança judia para a idade adulta. A decência inata de Andrew mascara o fato de que ele é um jovem que não conhece seu próprio rito de passagem emocional. Isso começa a mudar quando a bela Domino (Dakota Johnson) entra em um bar-mitzvah com sua filha autista, Lola (Vanessa Burghardt). Eles são imediatamente foco de fofocas cruéis, que são gatilhos para Andrew. Quando ele convence a hesitante Lola a dançar, Domino fica tão impressionada que pede a Andrew para ser a babá de sua filha.

Raiff se destaca em criar personagens à deriva em uma nuvem de incerteza e então acender o pavio que os impulsiona para a próxima fase de suas vidas. Os problemas de Andrew são mais fáceis de diagnosticar e serão resolvidos em um belo momento quando o noivo de aparência durão de Joseph (Raúl Castillo) entrega uma fala que quase sozinho choca Andrew em plena consciência emocional. Domino é uma personagem mais difícil de decifrar. Ela é a mulher que se torna mãe muito jovem e Dakota Johnson traz um ar de mistério e vulnerabilidade de coração aberto a uma personagem cuja sabedoria foi adquirida da maneira mais difícil. Suas discussões noturnas com Andrew na calma mostram uma motivação conflitantes, e o filme gera uma sublime sensação de tensão romântica durante esses encontros, só faltou um clima (que talvez tenha sido proposital).

Anúncio

Cha Cha Real Smooth tem um charme não forçado e falta de astúcia que é refrescante e não chega a ser precioso e insinuante. Raiff escreve como se investisse em todos os seus personagens e oferece a eles oportunidades de expor seu caso como indivíduos. O papel subscrito da mãe de Andrew pontua graças à positividade de Leslie Mann, apesar do transtorno bipolar do personagem que Raiff sugere, mas nunca explora.

Cha Cha Real Smooth refere-se ao hit de dança de DJ Casper, Cha Cha Slide, um clássico do bar-mitzvah lançado em 2000. A masculinidade não é apenas uma questão de maturidade física, mas emocional. Andrew ainda está em seu caminho para a maturidade emocional e, de todas as pessoas, ele tem alguns exemplos dessa linha de chegada que se tornam aparentes para ele no final do filme. Este é um filme sincero que também é muito engraçado e refrescantemente honesto sobre a geração atual.

Já premiado no Festival Sundance 2022 e elogiado pela crítica, Cha Cha Real Smooth chega à Apple TV+ em 17 de junho.

ASSISTA NA APPLE TV+

Anúncio
REVIEW
Cha Cha Real Smooth
Artigo anteriorStranger Things | Netflix libera imagens da última parte da 4° temporada
Próximo artigoConheça mais sobre Ereban: Shadow Legacy
Jornalista. Amante da sétima arte. A garota levemente viciada em séries. Pode falar sobre qualquer série comigo (menos sitcom).
cha-cha-real-smooth-o-proximo-passo-reviewProduzido e estrelado por Dakota Johnson (Suspíria - a Dança do Medo, Cinquenta Tons de Cinza), dirigido, escrito e estrelado por Cooper Raiff (O Calouro), o filme conta a história de Andrew (Raiff), que recém formado e sem um caminho claro para seguir, volta para a casa da família em Nova Jersey aos 22 anos. Mas se tem uma habilidade que deveria estar no seu currículo inexistente é como começar uma festa, o que lhe garantiu o emprego perfeito como dançarino motivacional no bar e bat-mitzvah dos colegas de turma do irmão mais novo. Quando Andrew faz amizade com uma mãe da região, Domino (Johnson), e sua filha, Lola (Vanessa Burghardt), ele finalmente descobre que futuro seguir, mesmo que não seja o próprio.