Anúncio

Antes mesmo da Live-Action de Mulan estrear, a Disney afirmou o desejo de fazer uma adaptação mais respeitosa para com a lenda chinesa já que a animação de 1998 foi um grande fracasso na China por causa de representação estereotipada da cultura chinesa. A própria diretora do filme, Niki Caro, disse que viajou a China diversas vezes e se esforçou para cumprir essa meta do estúdio, mas será que conseguiram? Logo de cara podemos ver que o esforço da Disney foi bem pequeno e nada diversificado quando saiu a lista das pessoas responsáveis pelo filme, spoiler alert: quase 100% formado de pessoas brancas.

“A Disney contratou: Uma diretora branca, uma figurinista branca, 4 roteiristas brancos, um compositor branco, uma cinematógrafa branca, um editor branco e uma pessoa branca responsável pela escalação do elenco. Para contar de forma *autentica* a historia da guerreira chinesa Mulan.”

Não importa o quanto uma pessoa branca faça pesquisas sobre a Ásia, ela nunca vai entender plenamente o que significa ser amarelo, ela nunca vai entender o que significa fazer parte dessa cultura e isso fica claro na forma como a China foi representada no filme. Veja a seguir uma pequenas lista com alguns pontos que mais chamaram atenção trazidos  por mim, pela escritora e historiadora Xiran Jay Zhao e youtuber chinesa AvenueX:

Hunos X Rouran

Dando crédito a um dos únicos pontos positivos dessa nova versão: O vilão. Na animação de 1998, os vilões do filme eram os Hunos e para quem não sabe a lenda chinesa da Mulan é baseado em fatos que realmente aconteceram na China e a escolha dos hunos não fazia muito sentido já que foram os rourans que invadiram o lugar estimado no qual a lenda se passa. Além do líder rouran, temos também a figura da bruxa, que apesar da palavra em si não ser o certo para se referir a alguém com poderes na cultura chinesa, é na verdade uma coisa fácil de aparecer em obras literárias antigas da China, elementos fantasiosos e místicos são comuns na cultura asiática no geral.

Anúncio

Estética X Realidade

Todo mundo sabe que os filmes tem filtros pra deixar tudo esteticamente agradável de acordo com o diretor (Joss Whedon que o diga), mas quando se trata de adaptações históricas é normal esperar que algumas coisas básicas sejam respeitadas. Logo no início vemos como a representação da China foi feita cheia de cores vibrantes, com construções que não condiziam com a realidade daquela região para a época, como se fosse normal uma pessoa branca simplesmente mudar as coisas sobre a cultura chinesa porque ela quer deixar tudo mais bonito e exótico. E mesmo o que era realmente parecido com as tradições chinesas foi alterado como se quisessem mostrar a cultura da China de forma estranha e exagerada, como é o caso da maquiagem da Mulan, na cena da casamenteira, que na verdade deveria ser algo assim (bem mais sútil e bonito né?):

Todo mundo sabe que um filme vai ser, de certa forma, fantasioso em relação a realidade que o diretor quer mostrar, mas mesmo fazendo algo idealizado tem um certo limite que não deve ser ultrapassado se o diretor tem intenção de transmitir certa veracidade sobre a obra. Por exemplo, não se espera que alguém vá colocar roupas do século XX em filmes que retratem o século XIX, não se espera que coloquem elementos de Londres, se o filme está falando sobre a França. Em Mulan, Niki Caro parece simplesmente ter escolhido elementos que a agradaram, como se a cultura chinesa pertencesse a outro mundo e fosse completamente aceitável ela apresentar o que quisesse sem nenhum compromisso com a realidade daquele povo ou daquela época.

Além do que já foi apresentado, há diversas coisa bem pequenas que, se tivesse uma pessoa chinesa numa posição importante o suficiente, poderiam ser facilmente resolvidas, mas todas essas pequenas coisas vão se somando e acaba virando uma bola de neve, principalmente pra quem é da China. Se você é totalmente alheio a cultura chinesa, esse filme é esteticamente bonito e pode até te agradar, mas caso você saiba minimamente sobre a cultura chinesa, ver elementos erroneamente representados numa produção tão grande como essa irrita e chega a ser lamentável.

Caso você entenda inglês, pode assistir aos dois videos abaixo onde Xiran Jay Zhao e AvenueX explicam com mais detalhes sobre os aspectos culturalmente errados ou desrespeitosos sobre a China presentes em Mulan. Xiran Jay Zhao, criou um canal no youtube especificamente para falar sobre a Live-Action.

Mulan já está disponível na Disney Plus.

Anúncio