Nos dias 9, 10 e 11 de março, o Rio Centro recebeu pela primeira vez um festival dedicado à cultura japonesa, o Rio Matsuri. Sua realização é muito especial e simbólica, já que este é o ano em se completam 110 anos desde a chegada dos primeiros imigrantes japoneses ao Brasil.

Confira nossa cobertura cosplay AQUI!

Cobertura e fotos por Fabi e Eriki.

De dentro do evento

Você pode perceber que este foi um evento muito esperado, visto que desde sexta-feira o Pavilhão Verde do Rio Centro já se encontrava bastante cheio para um dia de semana à noite. Cosplayers já embelezavam o espaço e os assentos para o Palco Principal já estavam lotados pelo público que assistiu entusiasmado à incrível apresentação do Wakadaiko, grupo de taikô de Maringá (PR).

Logo na entrada do evento, que era decorado com um belíssimo torii, era possível avistar uma loja de porcelanas. Além de chaleiras, copos de chá e outras louças de cerâmica ricamente decoradas (chegamos a achar um kit de Totoro!), encontramos diversos utensílios de cozinha e outros itens de decoração.

Havia também estandes vendendo doces e guloseimas japonesas, as opções variavam desde o famoso Pocky, os palitinhos de chocolate, até itens mais tradicionais, como o mochi, um bolinho doce feito de arroz com recheio de doce de feijão azuki.

Alcançando públicos diferentes, os estandes com itens de mangá, anime e k-pop atraíam boa parte do público jovem. Você também podia praticar de várias oficinas, como origami, oshibana, bonsai e desenho em mangá, que chegavam a formar filas. O evento ainda teve exibições de judô, apresentações da famosa cerimônia do chá e uma exposição sobre o jogador Zico e sua importância para o futebol japonês.

Divulgando a cultura

O Rio Matsuri contou com o patrocínio de empresas japonesas famosas, como a Nissan e Sakura, que tinham como principal objetivo divulgar a cultura japonesa. Nesse sentido, dois estandes valem menções especiais: o estande do Consulado Geral do Japão no Rio de Janeiro e o estande do ICBJ.

O Consulado do Japão (situado no bairro do Flamengo) exibiu brinquedos japoneses antigos, como o kendama, e eles também distribuíram a revista Niponicca, voltada para cultura e turismo. Além disso, divulgou seus programas de intercâmbio para aqueles que desejam estudar no Japão. Contribuindo há 60 anos com a promoção e divulgação cultural, o ICBJ (Instituto Cultural Brasil Japão) deu informações sobre os seus cursos e divulgaram a sua mais recente oficina de go, um dos jogos de tabuleiro mais antigos da Ásia.

Atrações Principais

O evento contou com a presença de Eduardo Miranda, conhecido como o pai dos animes no Brasil, que falou sobre a sua jornada para exibir animes e tokusatsus na TV brasileira, na extinta TV Manchete. Boa parte do público relembrou dessa época de ouro dos animes na TV aberta, promovendo um bate-papo descontraído sobre o tema.

O show de Rodrigo Rossi também atraiu muitos fãs de anime. Acompanhado de seu violão, o cantor chamou o público com temas de abertura e encerramento de Cavaleiros do Zodíaco, Shurato, Dragon Ball e outros. Além disso, Rossi cantou pela primeira vez o primeiro encerramento de Dragon Ball Super, “Hello Hello Hello!”.

O palco também contou com as apresentações dos cantores Susana Sano, Joe Hirata, Pamela Yuri e Karen Ito, todos cantando músicas japonesas famosas. Os grupos Saikyou Yosakoi Soran e o já mencionado Wakadaiko também maravilharam a todos com suas danças e sincronia.

Os integrantes do bon odori chamaram o público para dançar junto, promovendo uma belíssima integração entre brasileiros e japoneses. As atrações de taikô e dança tradicional japonesa também animaram todo o evento e encantaram a plateia. No domingo, a apresentação de taikô com dança chegou a arrancar aplausos de pé do público.

Palestras

Apresentando o saquê de forma diferente, o sommelier Celso Ishiy mostrou a origem e o processo de fabricação da bebida. O especialista explicou sobre as suas variedades, como degustá-la.

Outra palestra muito aguardada foi a “Sushi e Sashimi na Gastronomia Japonesa”, ministrada pelo renomado chef Shin Koike, que também estava presente no evento com o seu restaurante. A apresentação abordou o tema a fundo, mostrando desde os tipos de faca utilizada e a melhor forma de se cortar e limpar o peixe, até o preparo das iguarias em si.

Estandes e Opções Gastronômicas 

A crítica fica em relação aos poucos estandes de vendas e à pouca variedade de opções gastronômicas, não dando vazão a quantidade de pessoas presentes. Isso ocasionou filas grandes e muita espera, sendo esses os principais pontos negativos do evento.

Acreditamos que tal fato seja por conta de ser o primeiro eventos e esperamos que a organização melhore nesse aspecto na próxima vez.

Considerações Finais

O Rio Matsuri foi um sucesso de público e atrações. Apesar de muito cheio, a diversão foi garantida. Parabéns aos organizadores por trazerem um evento dessa magnitude para a cidade do Rio de Janeiro, que tanto carecia de um evento maior e com maior variedade de atrações!

GALERIA