Anúncio

Tempo de estreias na gloriosa revista semanal Shonen Jump! Algum mangá tem que cobrir o espaço deixado por Beelzebub e outras séries que enceraram recentemente. Hoje trago ‘Stealth Symphony‘, mangá recém-lançado que mistura luta, comédia, mistério e um visual bem massa! Esse promete!

Bom, no paragrafo anterior eu já deixei claro que gostei do que li. Vamos a uma rápida sinopse:

O protagonista é o jovem Jig, um garoto quieto, ‘na dele’ e que sofre de uma terrível maldição (juro que gostaria de detalhar essa parte, mas iria estragar a história!). Para remover essa maldição, Jig vai até a cidade de ‘Jinbo-cho’ em busca de alguém que poderia ajuda-lo, pois essa cidade é tão misteriosa quanto seu caso. Logo em sua chegada, o garoto se mete em problemas e acaba tendo que contratar uma equipe de proteção (segurança), mas ele não esperava que seu ‘guarda-costas’ fosse um cara invisível. Assim começa a aventura… Maluco não?

Gostei muito da história, pelo menos com começo dela, de verdade. Tem todos os clichês que a maioria dos mangás ‘mainstream’ da Jump tem, porém conta com um enredo que surpreende diversas vezes no mesmo capitulo! Só com isso, já vale a pena ler. O protagonista é mediano, pelo menos até agora, não cativa logo de cara igual os heróis ‘Luffy’, ‘Goku’ e ‘Naruto’, porém tem potencial (sua ‘maldição’ contribui para esse ponto). Já o visual dos demais personagens agradam e muito. Alias, a parte visual do mangá ficou demais, já pirei logo de cara na ‘pagina colorida’.

Falando um pouco dos autores… Sim, temos um dupla! A arte ficou por conta de Youichi Amano, sendo sincero, não conhecia o trabalho dele antes, mas curti bastante. Fazendo um pesquisa rápida, vi que ele foi responsável pelos mangás ‘Selling Me Softly’, ‘Over Time’, ‘Examurai’ entre outros… Já a história ficou nas mãos de Ryohgo Narita, conhece? Deveria! Mas pelo menos suas obras vocês já ouviram falar. Ele é responsável pela criação de ‘Baccano!‘ e ‘Durarara!!‘, dois animes classificados entre os melhores da ultima década. Então podemos esperar um grande enredo.

Resumindo, Stealth Symphony começa um protagonista morno (mas com potencial), história e ambientação muito massa e um visual que agrada demais! Sem contar que tem todos os clichês empolgantes dos ‘shonens’ da Jump! Entrou fácil para a lista dos mangás que acompanho.