Segundo a reportagem do site O Globo, a HQ “Vingadores: A Cruzada das Crianças” esgotou em aproximadamente 39 minutos e não pode ser encontrada em mais nenhum estande – a não ser tenha reposição.

Entenda o Caso:

Na noite da última quinta-feira, 5 de setembro, o prefeito da cidade do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB/Republicamos), determinou o recolhimento da HQ “Vingadores: A Cruzada das Crianças”, na Bienal do Livro do Rio de Janeiro.

A Graphic Novel publicada pela Salvat em 2016 (e anteriormente pela Panini), é uma série da Marvel publicada em 2010 e foi alvo de protesto no Twitter de uma mulher que visitou a Bienal, dizendo ser “ofensivo para crianças”.

Apesar de ter o conteúdo sugerido para maiores de 13 anos, a obra não consta com nenhum “conteúdo sexual” ou que extrapole os padrões da Indicação Etária. Apesar da nota de repúdio do prefeito, a Bienal decidiu NÃO RETIRAR os quadrinhos e respondeu:

“A Bienal Internacional do Livro Rio, consagrada como o maior evento literário do país, dá voz a todos os públicos, sem distinção, como uma democracia deve ser. Este é um festival plural, onde todos são bem-vindos e estão representados. Inclusive, no próximo fim de semana, a Bienal do Livro terá três painéis para debater a literatura Trans e LGBTQA+.

A direção do festival entende que, caso um visitante adquira uma obra que não o agrade, ele tem todo o direito de solicitar a troca do produto, como prevê o Código de Defesa do Consumidor.”

Sinopse: Na história, os Jovens Vingadores, os Vingadores e alguns X-Men partirão em busca da Feiticeira Escarlate, que está sumida das histórias da editora desde a Dinastia M, quando ela apagou os genes de 90% dos mutantes da Terra. O autor também promete a resolução da questão da maternidade de Wiccano e Célere, que supostamente são os gêmeos ressuscitados da Feiticeira Escarlate.

Leia também: Os Principais Destaques da Bienal do Livro do RJ 2019