Não é a primeira vez que um anime nos atiça à paternidade: Usagi Drop talvez seja o exemplo mais forte, apesar do final (supostamente) controverso. E Ama Ama to Inazuma também deixou aquela vontade de ser pai pra aprender a cozinhar pra filha pequena.

E sabem de uma coisa? A fórmula dá certo. O sorriso da Latina, seu ânimo de aprender tantas coisas e seu pai adotivo corujão adocicaram as quintas desta temporada.

“Se fosse pela minha filha, eu poderia derrotar até mesmo um Rei Demônio”. Ou, em bom japonês, “Uchi no musume no tame naraba, ore wa moshikashitara Maou mo taoseru kamoshirenai”. Aguardem, até o ano que vem já teremos um anime com o título do tamanho de uma redação do ENEM.

Quem é pai aí?

Enquanto isso não acontece, vamos a Uchi no Musume (ou Uchimusume), “Minha Filha”, pra simplificar o título palavrudo. Por que é que o anime valeu a pena assistir? Porque ele tocou bem nos pontos dos nossos instintos paternos, ainda que muitos de nós provavelmente nunca iremos chegar a tanto. A insegurança de ser um bom responsável, o medo da filha se machucar, se ela vai ser feliz no futuro.

Verdade seja dita, nem mesmo Dale Reki é pai. Apesar do anime ter “minha filha” no nome, Dale encontra a menina Latina perdida na floresta, sozinha e resolve adotá-la. Latina é uma meio-demônio, o que traz outras preocupações: se ela vai se encaixar bem na cidade, se ela vai ser bem aceita, se ela e Dale irão se separar cedo demais, já que meio-demônios vivem bem mais do que humanos…

A Menina Dedicada: Latina

Mas esse tipo de preocupação é mais motivo pra viver um dia de cada vez. Dale ganha mais disposição de trabalhar como mercenário e sobreviver aos seus trabalhos. E Latina tem um motivo bem simples de ser uma menina dedicada, estudiosa e trabalhadora (sim, ela trabalha numa taverna, mas acalmem seus nervos: é uma ficção medieval, não 2019): ser uma boa menina e ganhar a aprovação do Dale.

Como Latina perdeu o pai na floresta e estava prestes a morrer, Dale é o porto seguro que ela mais depende nesse mundo. Foi ele quem a resgatou dos perigos dos outros monstros, foi ele quem a deu um lar, uma cama, roupas confortáveis. Também foi por causa do Dale que ela conheceu um novo mundo, cheio de coisas novas, seus amigos na taverna e seus amigos na escola.

Uchimusume foi um bom anime…

Assim como Usagi Drop, Uchimusume pisa em ovos na construção desse roteiro, uma vez que as pessoas que leram a novel sabem como é que isso acaba. Essa discussão cabe pra novel, não para o anime, por motivos óbvios de spoiler. Mas o que fica de Uchimusume é isso: foi um bom anime, com uma construção que não é impressionante, mas que também não é ruim.

A história de Latina e Dale foi boa de se acompanhar semanalmente, mas provavelmente não apela tanto assim para ser maratonada. A menos que você esteja em necessidade de uma dose a mais de fofura num dia qualquer, fora isso, é um bom anime mediano.