Anúncio

Magia Record: Puella Magi Madoka Magica Side Story é um anime da Temporada de Inverno 2020. É um spin-off, ou como o próprio nome diz, uma side story, da série original Puella Magi Madoka Magica.

O anime é baseado em um jogo mobile de mesmo nome, produzido pela f4samurai e Magica Quartet. Foi lançado em 2017 tanto para Android quanto para iOS.

Mas também possui um mangá, que está em lançamento desde 2018. A arte ficou por conta do Fuji Fujino e a história por conta do Magica Quartet (mesmo dos jogos e outros animes desse universo), composto pelo diretor Akiyuki Shinbou, o escritor Gen Urobuchi, o designer dos personagens Ume Aoki, e o produtor Atsuhiro Iwakami.

O anime é dirigido pela dupla de ex-animadores do estúdio Gainax, Ayumu Shiraishi e Yousuke Anai. Cada um tem um pseudônimo para assinar as obras. Shiraishi se denomina como Doroinu, Anai como 2shiroinu, e juntos eles formam a dupla “Gekidan Inu Curry”.

É a primeira vez da dupla trabalhando na direção de um anime. Antes faziam trabalhos relacionados a efeitos especiais e direção de arte. Nessas funções, eles já trabalharam com Madoka Mágica, garantindo um conhecimento prévio do universo.

O estúdio responsável pela animação é o mesmo de Madoka, o Shaft, que também é conhecido pelas adaptações de “Monogatari Series” e “Nisekoi”.

Recrutando garotas para serem mágicas!

Magia Record conta a história de garotas mágicas. Para quem não conhece esse universo, darei um breve resumo. Existe um ser mágico, de aparência fofa, chamado Kyuubey. Ele recruta garotas adolescentes para se tornarem garotas mágicas e lutarem contra uns monstros denominados de “Bruxas”. Em troca, ele consegue realizar qualquer pedido que a garota quiser. Muitas entram nessa por necessidade, para resolver algo que está fora do controle delas.

Após realizarem o pacto com Kyuubey, suas vidas estarão presas a esse objetivo. Nunca poderão deixar de lutar contra as Bruxas, colocando sempre suas vidas em risco.

Toda garota mágica recebe um cristal, que é chamado de “Joia da Alma”. Conforme elas vão lutando, suas joias vão escurecendo. Elas são avisadas a evitar isso a todo custo, e o único jeito de purificar essas joias é matando Bruxas e recolhendo suas “Sementes de Luto”. Quando uma Bruxa é derrotada, ela desaparece, deixando apenas essa semente. Ao aproximar a semente da joia, a semente suga as impurezas, limpando a joia. Isso se torna um incentivo para as garotas mágicas continuarem fazendo seu serviço.

A protagonista dessa história, Tamaki Iroha, se tornou uma garota mágica, mas não se lembra de qual foi seu pedido. No começo, mostra sua angústia em tentar entender o que aconteceu em seu passado e o porquê de ter perdido suas memórias.

Iroha ouve rumores sobre uma cidade onde garotas mágicas podem ser salvas. Com o intuito de descobrir se isso é verdade, ao mesmo tempo em que busca respostas sobre si mesma, ela viaja até Kamihama.

É lá que ela conhece várias outras garotas mágicas, formando alianças, conseguindo mais ajuda para decifrar os mistérios pessoais e das garotas em geral. Alguns desses mistérios são resolvidos rapidamente e outros se perduram ao longo de todo o anime.

Em dado momento, há um embate entre o chamado “bem” e “mal. Ambos os lados acreditam estarem certos e dão seus motivos para tal, podendo deixar até o público confuso sobre quem está certo e quem está errado. Isso é um ponto bem interessante da obra, que nos faz questionar isso de sempre eleger um lado como os “heróis” e um lado dos “vilões”.

Falar muito da trama de Magia Record pode ser um grande spoiler. Algumas das reviravoltas do anime não serão surpresas para quem já assistiu Madoka Magica, mas para quem é novo, perderia toda a graça se fosse revelado.

madoka magica magia record

Magia Record quebra expectativas como o original?

Comparando rapidamente as duas obras, Magia Record é inferior à Madoka Magica. O anime de Madoka ficou conhecido por ter quebrado as expectativas do público de forma positiva, chocado quem assistia, mas Magia não fez isso, mesmo com as novas revelações trazidas nesse anime.

Os 5 primeiros episódios foram muito mornos. Por mais que tivesse ação em quase todos, parecia que não saía do lugar. Nada de novo nos era apresentado e ficava por isso mesmo, chegando a cansar. Foi a partir da apresentação de novas personagens que as coisas foram melhorando, afinal, elas traziam junto novos mistérios para a trama, a fazendo evoluir.

Não podemos negar que a protagonista também não é uma das mais carismáticas, sendo mais fraca que todas as outras garotas mágicas, precisando ser salva toda vez. Isso acaba cansando, afinal, esperamos o momento em que ela melhorará, mas isso não acontece.

Não há um progresso nela. Somente nos últimos episódios, de forma nada natural, que ela demonstra um pouco mais de competência nas batalhas.

Mas uma coisa é certa: sem as demais personagens, o anime estaria fadado ao fracasso. Elas carregam o anime nas costas. Tanto as parceiras de Iroha quanto suas “inimigas” são muito mais carismáticas, roubando a cena toda vez em que aparecem.

Falando ainda sobre personagens, algumas somem em certo momento do anime, voltando somente depois, como se nada tivesse acontecido. Ao aparecer uma outra leva de personagens, o anime focou totalmente nela e deixou de lado o primeiro grupo que Iroha encontra.

Somos fãs e queremos “service”!

Mas, agora falando as partes boas do anime, para quem é fã do primeiro anime desse universo, com certeza terá gratas surpresas na segunda parte (caso não tenha jogado o game). Afinal, nós somos fãs e queremos “service”. Lembrando que esse anime é um spin-off e não uma continuação de Madoka.

Toda a estética dele é espetacular, principalmente quando se trata das Bruxas. Já havíamos visto isso em Madoka, mas aqui a qualidade deu uma evoluída. Não só isso, mas também o design das roupas, a animação das transformações e das batalhas, foram todos muito bem executados.

A trilha sonora também não fica para trás, sendo muito competente. As músicas são marcantes, e as de batalha são de arrepiar. É aquela trilha que dá vontade de ouvir fora do anime de tão boa. Tem uma vibe muito específica, dando um tom único para as cenas.

Quanto a abertura, a música “Gomakashi” é cantada pelo grupo TrySail. É uma música muito animada, na voz doce das meninas do grupo. A dupla ClariS ficou responsável pelo encerramento do anime com a música “Alicia”. Elas tiveram sua música como abertura em Madoka e agora voltaram para Magia Record. A música combina perfeitamente com a da TrySail, fazendo um belo conjunto.

No último episódio, o encerramento é especial. A música “Niguredo”, de Shito (ReReGRAPHICS), termina com maestria o anime, deixando aquele clima épico no ar.

madoka magica magia record

Próxima temporada?

O anime termina em aberto, algo que eu não esperava, deixando um gancho para uma próxima temporada (ainda sem data de lançamento). Por mais que o começo tenha sido fraco, os últimos episódios foram melhores, o que nos deixa com vontade de saber como será concluído essa história na próxima temporada. Não foi um final fraco, de maneira alguma, ainda mais pela soma das cenas finais e da trilha sonora, que ajudaram a melhorá-lo ainda mais.

Acredito que o fato de ser no mesmo universo de Madoka Magica tenha deixado o anime com muita responsabilidade nos ombros, pois criou uma enorme expectativa no público que já gostava da obra anterior. E ele não soube suprir isso da melhor forma possível.

Ainda acredito que valha a pena assistir ao anime, principalmente pelas questões referentes ao anime anterior e por mostrar uma outra faceta das garotas magicas. A parte técnica também vale muito nesse anime, e, obviamente, as personagens secundárias, que são muito interessantes, divertidas, com boas histórias e arcos narrativos.

Agora é ficar no aguardo da próxima temporada, torcendo para a protagonista evoluir e a história avançar mais, quebrando as expectativas, mas agora de forma positiva.

ASSISTA AGORA NA CRUNCHYROLL