Melissa é uma colegial de 15 anos. Ela é solitária, não tem amigos e sente dificuldade em manter a atenção nas aulas, simplesmente porque, para ela, a realidade não é tão estimulante quanto a fantasia que ela encontra nos livros. Oliver é um garoto de 22, que sofreu um acidente de carro e desde então está em coma, preso num leito hospitalar. Os médicos dizem que ele nunca mais irá acordar. Um dia, no entanto, Melissa e Oliver se encontram, em circunstâncias que, para o bem e para o mal, mudarão o curso da vida dos dois.

Essa é a premissa de Melissa em Ellipsia, uma HQ (história em quadrinhos) que está sendo produzida por dois jovens sorocabanos e já está em pré-venda por meio da plataforma Catarse (www.catarse.me), até 22 de abril.

O roteiro foi produzido em 2009 nos Estados Unidos pelo sorocabano Guilherme Profeta. O início efetivo da produção da HQ só viria seis anos depois, com a inclusão da ilustradora Ligia Zanella, também sorocabana.

“Melissa em Ellipsia é uma HQ para quem gosta do gênero fantasia. Isso quer dizer que os amantes das histórias fantásticas vão encontrar na HQ elementos tradicionais como elfos, fadas e trolls. Mas a preocupação da história é, também, levantar algumas questões um pouquinho mais complexas e contemporâneas: as coisas são todas relativas, e não é assim tão fácil definir o que é certo e o que é errado. No fim das contas, somos nós quem construímos as nossas verdades e todos estamos apenas lutando por aquilo em que acreditamos”, explica o roteirista.

“A arte de Melissa em Ellipsia traz os personagens à vida por meio de traços simples e monocromáticos, que buscam sintetizar e transmitir expressividade. Seguimos a tradição do mangá (o estilo tradicional japonês), mas buscando conferir à arte um ar mais austero. Temos como referência obras clássicas da literatura de fantasia, como os romances de C. S. Lewis e J. R. R. Tolkien, e também a estética delicada de Hayao Miyazaki. A arte tem influências fortes, mas apresenta um mundo novo e bem desenvolvido, com o objetivo de envolver os olhos dos leitores numa leitura fluida e enriquecedora”, diz a ilustradora.

A HQ deverá estar disponível no segundo semestre de 2016, se o projeto de financiamento coletivo for bem-sucedido. Esse é um modelo que, segundo os autores, coloca nas mãos dos próprios artistas todas as decisões editoriais relacionadas a um produto criativo, sem nenhuma interferência de editoras comerciais. “O modelo de financiamento coletivo é uma alternativa à editoração tradicional, benéfica tanto para os artistas quanto para os leitores. Ele permite o acesso a obras originais, experimentais e inventivas, como esperamos que seja Melissa em Ellipsia”, concluem.

Para o futuro, há planos para que o projeto evolua para uma coletânea colaborativa de contos literários spin-off, ou seja, obras secundárias derivadas da obra principal, ambientadas no mesmo universo.

Como comprar

Entre na página www.catarse.me/melissa. Faça um breve login (que pode ser através do Facebook). Clique em “Apoiar este projeto” e escolha a opção que mais lhe agrada (cópia digital em pdf, cópia impressa ou cópia impressa com brindes extras). O pagamento pode ser feito com cartão de crédito ou boleto bancário.

Página no Facebook: www.facebook.com/melissaemellipsia