poc con logo

O fenômeno das feiras geeks, nerds, de quadrinhos, heróis e temas da cultura POP invadiu DEFINITIVAMENTE o Brasil. Com o sucesso de eventos como Brasil Game Show, e Comic Con XP, era só uma questão de tempo até que houvesse uma feira voltada ao público – e profissionais – LGBTQ+, a Poc Con!

A Poc Con, realizada no dia 22 de junho no Osaka Naniwa-Kai, foi um evento que nasceu com o objetivo de difundir a cultura dos quadrinhos de minorias muitas vezes relegadas ao esquecimento do gênero. Concebida por artistas LGBTQ, para profissionais e fãs LGBTQ, o evento quis provar para todo um mercado (principalmente de editoras) que falar sobre temas fora do “padrão” da certo sim, além de abrir portas para quadrinistas, ilustradores, escritores, roteiristas e vários outros artistas que utilizam da sua arte para expressar muito do que passam no seu dia-a-dia.

Dividido em um espaço para o Beco dos Artistas, e outro para palestras incríveis, o evento totalmente gratuito foi um sucesso total. Ao chegar lá eu já me deparei com uma fila gigantesca que dobrava quarteirões! Ninguém realmente esperava a quantidade de público, que chegou a ficar mais de 3 horas na fila somente para entrar.

A variedade de artistas era maravilhosa. Eu, como uma fã e colecionadora de quadrinhos e obras nacionais, fiz a festa nas mesas e consegui adquirir vários volumes de obras que estava de olho a tempos como o Manual Prático de Garota Mágica do Heitor Costa, e o Gibi de Menininha, coletânea de “historietas de terror e putaria” organizado pela Germana Viana.

Além disso o evento também contou com vários apoios de empresas nacionais como as editoras Panini, Newpop, Rico, Avec, Jambô entre outros. Algo incrível, já que um evento que nasceu “pequeno” conseguiu alcançar até os grandes nomes da indústria.

Na parte das palestras, os eventos da Poc Con se iniciaram antes da própria feira. Com “esquentas” organizados na Casa 1 com discussões muito bacanas a respeito das minorias nos quadrinhos. No dia do evento, as palestras gratuitas aconteceram na Biblioteca Viriato Corrêa, com figuras icônicas como Laerte e Gabriel Picolo.

Com alguns problemas de todo primeiro evento, a Poc Con arrasou em sua estreia. E teve um resultado muito positivo, colaborando com um cenário mais diverso nas histórias em quadrinhos. Eu amei estar presente lá e conhecer tantas pessoas incríveis e artistas maravilhosos, e – com certeza – serei presença carimbada em todas as próximas edições (que venham muitas, por favor).