Steins;Gate é uma obra completa. Possui alguns jogos, a maioria em formato de visual novel (jogos focados em enredo, e o jogador faz decisões que podem decidir o caminho dos personagens), um anime completo e outro em andamento, e algumas coleções de mangás. Mas nessa REVIEW vamos focar no primeiro anime lançado.

O anime é baseado na visual novel de ficção científica “Steins;Gate”, lançada em 2009. A versão para anime saiu no ano de 2011, na temporada de primavera, pelo estúdio White Fox, mesmo estúdio de Re:Zero e Akame ga Kill!

A obra está completa na Amazon Prime Video, com 24 episódios. Foi dirigido por Hamasaki Hiroshi e Satou Takuya e escrito por Hanada Jukki. Possui um ova que dá um “plus” ao final da história, e uma coleção animada de 4 episódios.

Grupo de Amigos

A história foca em um grupo de amigos, Okabe Rintarou, Shiina Mayuri e Hashida Itaru, que sempre se encontram no “quarto” que Okabe aluga, o qual ele apelidou de “Laboratório de Dispositivos Futuristas”, que fica em Akihabara.

Okabe e Daru (apelido de Hashida), constroem uma máquina com seu micro-ondas, chamada “Micro-ondas Telefone” que transforma o que for colocado lá em gel verde. No caso, eles fazem experimentos com bananas. Após algumas tentativas, eles descobrem que conseguem enviar mensagem para o passado com seus celulares, quando o micro-ondas estiver ligado (por isso o nome da máquina). Essas mensagens são apelidadas de “D-Mail”, em homenagem ao DeLorean de De Volta para o Futuro.

A partir desse ponto, eles começam a fazer experimentos com os D-Mails, alterando o passado e ao mesmo tempo o futuro. Mas como sabemos, nunca se deve mexer com a linha do tempo. Nem tudo dá certo, e eles começam a ter envolvimento com a SERN, uma empresa que também faz pesquisa sobre viagem no tempo. Não vou falar mais do que isso, porque falar muita coisa pode ser um spoiler, e esse anime é essencial que assista pela primeira vez sem saber de muita coisa.

steins;gate
Steins;Gate (Imagem Divulgação)

Construção de Personagens

Falando dos personagens, todos são muito bem construídos. Alguns passados são mais explorados que outros, mas todos têm uma história de como chegaram a onde estão. Há episódios especiais para cada personagem, o que os fazem deixarem de serem personagens rasos, para se tornarem personagens mais reais, com complexidades assim como uma pessoa de verdade.

Todos evoluem conforme passa a história, e a produção do anime deixou isso evidente quando chega no final. As relações também são construídas pouco a pouco, tanto que você se sente parte daquele grupo.

Okabe Rintarou ou Okarin (apelido que Mayuri e Daru o chamam) tem 18 anos e se autoproclama cientista louco. Possui como se fosse um alter ego chamado Hououin Kyouma, e acha que tudo acontece graças a vontade do “Steins Gate” e que há uma Organização está atrás dele. Ele é bem maluco, mas dá para ver que ele se importa com as pessoas a sua volta.

Shiina Mayuri ou Mayushii (apelido que deu para si mesma) é uma costureira de cosplays. É amiga de Okabe desde a infância, e sempre faz de tudo para ficar perto dele e vê-lo feliz. É uma personagem muito fofa e conquista o público facilmente. E seu “tuturu” marcou muita gente.

Hashida Itaru ou Daru, é um super hacker e sempre ajuda Okabe em seus dispositivos futurísticos. É um otaku muito carismático, mas que sempre tem pensamentos pervertidos.
Makise Kurisu ou Christina (apelido que ganhou do Okabe) é uma cientista prodígio de 18 anos, que estudou no exterior. Tem problemas com seu pai que também é cientista, o que a frustra muito. É claramente é uma tsundere, mas é amada por muitos fãs do anime.

E há outros personagens que não aparecem tanto quanto os principais. A Faris, companheira de trabalho de Mayushii. A Urushibara Ruka, uma garota que nasceu em um corpo de garoto. Kiryuu Moeka, uma garota que não fala muito e só manda mensagens pelo celular. E Suzuha Amane, que trabalha na loja que fica em baixo do quarto de Okabe.

Desenvolvimento Envolvente

A forma como a história é contada é o ponto alto dessa obra. O começo pode ser um pouco lento e confuso, o que afasta muitas pessoas. Mas depois que você termina o anime, agradece o começo ser desse jeito, porque se mudassem, a história perderia seu pilar.

A primeira parte da animação é bem uma introdução mesmo, e a ação começa a partir do episódio 12, que acredito ser um dos maiores pontos de virada de Steins;Gate. É nesse momento que percebemos realmente que aquele anime não é igual aos outros que já vimos.

O anime possui uma história tão bem escrita, e a direção consegue captar a essência de cada situação perfeitamente. Steins;Gate possui uma história circular, ou seja, o final se liga com o começo, e tudo faz sentido. Nenhum ponto do anime, nenhuma cena, está lá em vão. Tudo tem um propósito, então preste atenção aos detalhes também.

steins;gate
Steins;Gate (Pôster Divulgação)

Curiosidades de Steins;Gate

Agora vamos falar de algumas curiosidades. Começando pelo apelido de Kurisu. Okabe a chama de Christina, e não é sem propósito. Kurisu é como os japoneses falam Chris. Eles normalmente não conseguem falar “Chri” e falam “Curi”, e o “S” no final se torna “Su”, logo Kurisu. Tanto que a personagem sempre diz que não tem nenhum “tina” no nome dela.
Steins;Gate utiliza de vários elementos existentes da vida real. O computador que eles usam no anime, o IBM5100, realmente existiu e foi lançado no ano de 1966 pela IBM.

Outro elemento é a SERN que tanto aparece na obra. Na vida real, a CERN é uma Organização Europeia para Pesquisa Nuclear, sendo o maior laboratório de física de partículas do mundo. E por último e mais importante, John Titor, que era um internauta nos anos 2000 e 2001 que alegava ser um viajante do tempo do ano de 2036. A história de John é bem intrínseca à história de Steins, por isso é tão importante. Muitos acontecimentos são baseados no que John Titor alegava na época.

Outra curiosidade também é que Steins;Gate faz parte de uma coleção de visual novels de ficção científica chamada “Science Adventure”. Todos esses jogos foram produzidos pelas mesmas empresas, e todos eles tiveram adaptação para anime. São eles: Robotic;Notes, Chaos;Head, Chaos;Child, Steins;Gate e Steins;Gate 0. É como se eles se passassem no mesmo universo. Occultic;Nine aparentemente também é desse universo, mas não faz parte do Science Adventure. Todos as adaptações para anime receberam músicas da Kanako Itou, seja na abertura ou encerramento.

A Essência na Música

Agora falando de música, a abertura é cantada pela Kanako Itou, que também canta as aberturas das visual novels. A música se chama “Hacking to the Gate”, e sua letra traz muito a essência da história do anime. Essa abertura se tornou bem memorável para os fãs da série.

O encerramento até o episódio 21 foi cantado pela Sakakibara Yui e se chama “Toki Tsukasadoru Juuni no Meiyaku”. A música segue a mesma premissa que a de Kanako, falando do tempo como é falado no anime.

No episódio 22, o encerramento é uma música instrumental “Fake Verthandi” pelo compositor Takeshi Abo. Já os encerramentos do episódio 23 e 24 são cantados pela Kanako Itou, “Sky Clad no Kansokusha” e “Another Heaven”, respectivamente, e são bem emocionantes.

steins;gate
Steins;Gate (Imagem Divulgação)

Grande Sucesso – até hoje! 

Steins;Gate fez e ainda faz muito sucesso. Não é à toa que apareceu no top 5 na lista de “Top Anime Series” do MyAnimeList, com a nota de 9,14. E até hoje não vi ninguém que terminou o anime e não gostou.

Em 2015 foi lançado no Japão o Steins;Gate 0, uma visual novel que é um spin-off e ao mesmo tempo uma continuação de Steins;Gate. A história segue a partir de um ponto da primeira obra, mas não a partir do final. E no ano de 2018 ganhou uma adaptação em anime que ainda está em andamento.

Recomendo esse anime para os fãs ávidos de ficção científica, e que gostem de um bom suspense porque há muito em Steins;Gate.

Pode ser um pouco confuso no começo, mas não desistam, porque a obra é excelente e vale muito a pena. Tudo será explicado aos poucos, então não se preocupem. E quem já viu, recomendo assistir novamente, pois você terá mais tempo para prestar atenção em tudo.

Acredito que Steins;Gate seja o melhor anime de viagem no tempo já feito, pois trabalharam brilhantemente essa temática, mesmo que obviamente seja mais ficção do que baseado em teorias científicas reais.

El Psy Kongroo

REVIEW
Steins;Gate
Artigo anteriorCarioca em “Más Companhias” – chega a Rio Claro
Próximo artigoAniquilação | Review
Nanossauro
Sou aquela pessoa que gosta de ouvir uma música clássica seguida de uma abertura de anime. Que adora finais tristes, e histórias bizarras que ninguém entende. Que joga videogame desde sempre e nunca fica boa. A pessoa que tem dificuldade para falar de si mesma, e demorou quase quatro meses para escrever só 55 palavras.