Anúncio

My Next Life as a Villainess: All Routes Lead to Doom!, ou no original, Otome Game no Hametsu Flag shika Nai Akuyaku Reijou ni Tensei shiteshimatta, é um isekai da Temporada de Primavera de 2020.

A fantasia, com uma boa dose de comédia, finalizou a primeira temporada com 12 episódios. Todos estão disponíveis na Crunchyroll.

É baseado em uma light novel de mesmo nome, escrita por Yamaguchi Satoru e ilustrada pela Hidaka, Nami. A publicação vem desde 2018 e atualmente possui 8 volumes. Há também uma versão em mangá, com 4 volumes até o momento.

Quanto ao anime, o estúdio Silver Link foi o responsável pela adaptação. É conhecido por animes como Baka to Test to Shoukanjuu e Watamote. Já o diretor é o Inoue Keisuke, com apenas um trabalho nesse cargo, no anime Midara na Ao-chan wa Benkyou ga Dekinai.

Visões de outra vida?

My Next Life as a Villainess nos apresenta Katarina Claes, uma menina de 8 anos, é filha única de um duque. Em um dia, enquanto andava com Gerald Stuart, também da realeza, Katarina cai e bate a cabeça.

Esse evento fez com que ela tivesse visões de outra vida, descobrindo assim que, na verdade, ela era uma adolescente otaku viciada no otome game “Fortune Lover”. Ao falecer, acabou reencarnando como a vilã do jogo.

Ao lembrar o que acontece com sua personagem, começa a fazer de tudo para mudar sua rota e não terminar exilada ou morta. Agora é uma corrida contra o tempo, sempre com bom humor.

Um respiro dentro dos isekai

O nicho de isekai estava muito saturado, sem trazer nada de novo. Mas esse anime veio para dar um ar novo. Ele se assemelha mais a Konosuba do que SAO, digamos assim.

A história é bem construída e mesmo quando há arcos mais lentos, a comédia compensa e garante ótimas risadas. O ritmo é bom tanto para maratonar, quanto para assistir de forma gradativa.

A trama começa bem descontraída, com a protagonista entendendo o que está acontecendo e tentando mudar seu destino. Mas mais próximo ao final, há um arco mais sério que se entrelaça ao principal, trazendo um clima mais tenso para balancear a comédia. Mas souberam dosar bem, sem puxar muito para um lado ou para o outro.

My Next Life as a Villainess

Personagens carismáticos

Um ponto altíssimo da história são os personagens. A maioria é muito carismático, segurando as cenas bem, mesmo sem a presença da protagonista. Dentre os recorrentes, há apenas um que considero menos carismático, mas isso é devido a sua personalidade, então é algo que dá para se relevar.

O anime vai construindo pouco a pouco cada personagem, os inserindo de forma gradativa até formarem um grande grupão de amigos. Eles possuem características e personalidades marcantes, sendo fácil criar identificação e apego. As relações de cada um deles com a Katarina também são bem desenvolvidas.

Falando na Katarina, ela é um show a parte. Uma das protagonistas mais carismáticas da temporada, sem dúvidas. Seu timing de comédia é ótimo e sua inocência a deixa ainda mais engraçada. Há várias cenas em que mostra sua mente traçando planos para se livrar do final ruim e são várias mini versões suas, cada uma também com uma personalidade.

Por mais que seja uma ideia já usada antes, é executada muito bem, incrementando o alívio cômico. Fazer a protagonista como vilã do jogo é um dos maiores acertos da história, pois diferencia essa obra das demais.

Querendo ou não, Bakarina, como os fãs carinhosamente apelidaram, traz alguns elementos de harém, mas com uma mulher no centro. Não sou muito fã, mas aqui souberam trabalhar bem. Mas é bom lembrar que animes assim tem final aberto ou a protagonista não fica com quem você espera, já que há várias rotas que pode pegar.

Há magia nesse universo, mas ela não é muito explorada. Há uma cena ou outra em que os personagens a usam, mas no geral ela fica praticamente em terceiro plano. Na trama final, ela retorna com mais força, nos fazendo lembrar que havia elementos assim antes (é bem fácil de esquecer isso). Acredito que poderia ter sido mais usada, ainda mais a de Katarina, que também é motivo de riso, mas isso poderia levar o anime para mais um clichê, o que era bastante perigoso. Talvez na segunda temporada isso seja mais abordado, devido ao final da primeira.

My Next Life as a Villainess

Gosta de otome games?

Partindo para as músicas agora, vamos falar sobre a abertura. Assim como o anime, ela é muito divertida. A música combina perfeitamente com o clima do anime. Tem elementos de comédia, mas há partes que remetem à realeza, devido a temática. A parte visual também não fica para trás. Souberam animar cenas que tinham o ritmo igual da canção, dando um toque especial.

O encerramento ficou por conta do Shouta Aoi, que tem uma voz muito potente. É uma música menos alegre que a abertura, mas não deixa de ser boa. O refrão é tão contagiante, que é quase impossível não cantar junto. Quanto a parte visual, foi feito um trabalho mais simples, mostrando imagens estáticas dos personagens na maior parte do tempo.

Recomendo My Next Life as a Villainess para todo mundo, principalmente para fãs de otome game e isekais de comédia. É a obra perfeita para se divertir e não ver a hora passar. Não é um anime perfeito, mas com certeza é um ótimo entretenimento.

ASSISTA AGORA NA CRUNCHYROLL

REVIEW
My Next Life as a Villainess: All Routes Lead to Doom!
Artigo anteriorAlderan disponibilizará álbum completo nas plataformas digitais
Próximo artigoUbisoft disponibilizará Watch Dogs 2 gratuitamente para PC
Nana
Graduada em Publicidade, com especialização em Produção de Conteúdo. Sou escritora, mas não termino nenhuma história. Adoro videogames, mas sou ruim em todos. Devo ter mais horas assistindo anime do que dormindo. Viciada em música, principalmente daquelas bandas que ninguém conhece. A esquisitona do rolê.