Todos nós sabemos que a primeira tentativa nas telonas nos anos 2000 foi um fracasso com Dungeons & Dragons, mas essa novidade cósmica promete surpreender sobre o mundo com magia e bárbaros.

Estrelado por Regé-Jean Page (Bridgerton), Hugh Grant (Um Lugar Chamado Nothing Hill), Michelle Rodriguez (franquia Velozes & Furiosos), Sophia Lillis (IT), Chris Pine (Mulher-Maravilha) e Justice Smith (The Get Down), Dungeons & Dragons: Honra Entre Rebeldes, é um filme que, como nos jogos de RPG, explora o mundo de fantasia repleto de dragões, anões, orcs, elfos e outras criaturas fantásticas, em que sobreviver é sempre um grande desafio e toda história parece mentalmente possível, trazendo familiaridade aos jogadores, pois insiste em construir a sensação de que se está numa partida de D&D onde há a possibilidade de fazer magias e sacar itens em tempo real.

Também é muito bem-vindo para quem nunca teve contato com o jogo de rpg, afinal, ele apresenta brevemente o reconhecimento das maiores franquias feitas através da inspiração do RPG publicado nos anos 70, sendo algumas delas: Game Of Thrones e Stranger Things, mas, não traz a vontade máxima de sair do cinema e ir a uma livraria em busca de livros e tabuleiros para saber e se aventurar mais nesse universo.

O filme, por sua vez redigido pela dupla de roteiristas Chris McKay e Michael Gilio, tem o nível certo de comédia, que faz com que todos riam e se divirtam juntamente a aventura e ação, porém, não é nada tão inovador por já haver filmes clássicos como Senhor dos Anéis e séries como Game Of Thrones, que já anteciparam o que seria chamado de “novo” nesse gênero.

As locações e cenários são o ponto forte da longa, afinal conseguimos sentir e viajar com mais facilidade no que está acontecendo ao redor dos personagens, juntamente com os efeitos visuais, as coreografias e enredo te prendem o suficiente.

Seu ritmo é feito de maneira rápida e eficiente a ponto de não parecer ser um filme de duas horas, e quando menos se espera, o filme se dá por fim, o que infelizmente resulta na pouca profundidade individual e sinergia dos personagens, o que não afeta o entendimento, diversão e viajem entre mundos, mas, se houvesse, seria um filme ainda mais marcante.

Por isso, recomendo que vá ao cinema e divirta-se sem medo e permita-se fugir do mundo real para entrar no imaginário sem culpa, afinal, D&D: Honra Entre Rebeldes é a prova cinematográfica de que é possível misturar ação com paródia sem recorrer à audácia nem abandonar a leveza e a pureza. O lado lúdico do filme promete várias decisões questionáveis, reviravoltas, diálogos assim como sua própria natureza. Por fim, eu, mais que indico que fique após toda finalização do filme, irá te render boas risadas.

Anúnciobanner amazon

Amantes de mangás, uni-vos!  Clique no banner acima e adquira o seu mangá preferido na Amazon. Não só você desfruta da sua leitura favorita, mas também ajuda o Suco de Mangá a crescer. Juntos, celebramos o mundo dos mangás!

REVIEW
Dungeons and Dragons: Honra Entre Rebeldes
Artigo anteriorFabledom está chegando
Próximo artigoEsquadrão 51 Contra os Discos Voadores | Review
Futura publicitária que carrega uma paixão por todas as formas de comunicação. Estudo LIBRAS há mais de 5 anos e iniciei minha carreira como estagiária na equipe de comunicação do Ministério Público de onde resido. Desde os 7 anos, me encanto pelo K-pop e pela cultura emo, e isso diz muito sobre mim.
dungeons-and-dragons-honra-entre-rebeldes-review Em um mundo repleto de dragões, elfos, anões, orcs e outras criaturas fantásticas, sobreviver é sempre um grande desafio. Raven Hightower é um humano que se arrisca entre os lugares mais perigosos e misteriosos desse universo, sempre com a ajuda de outros aventureiros que, assim como ele, estão dispostos a combater o mal e a derrotar as mais terríveis criaturas que surgem em seus caminhos. Baseado no jogo Dungeons & Dragons, um Role Playing Game (RPG) criado na década de 70.