cpfl intercambio brasil china
Anúncio

O mês de Intercâmbio Brasil-China, promovido pelo Instituto CPFL, chega em sua 4ª edição em 2020 e contará com diversas ações culturais em promoção da cultura chinesa no Brasil.

A programação reúne filmes, playlists de música e de vídeos, concerto de música contemporânea ao vivo e especiais do Café Filosófico CPFL na televisão. Toda a programação terá distribuição gratuita e online.

“As fronteiras entre Brasil e China estão cada vez mais próximas com o compartilhamento de tecnologia, ciência e comércio. Mas, quem é a China contemporânea que está tão presente em nossos dias e da qual ainda pouco conhecemos? O mês de intercâmbio cultural pretende evidenciar as particularidades que tornam a cultura chinesa tão especial e relevante para a construção de referências em todo o mundo”, explica o diretor do Instituto CPFL, Mário Mazzilli.

Em setembro, o Café Filosófico CPFL na televisão vai exibir quatro programas dentro da temática do festival: Oriente e Ocidente, proximidades e distâncias, com Antonio Florentino e Oswaldo Giacoia Jr; Made in China, com Rosana Pinheiro Machado e os inéditos Soft power e imagem da China moderna, com Fernanda Ramone; e China e os novos caminhos, com Jaime Spitzcovsky. Os programas irão ao ar nos domingos de setembro, às 19 horas, com transmissão pela TV Cultura e pelo canal do Youtube do Café Filosófico CPFL.

O Cine CPFL apresenta, por meio da Mostra Cinema e Reflexão na plataforma de streaming Looke, uma seleção com onze filmes, incluídos títulos clássicos e destaques contemporâneos, de produções realizadas entre os anos de 1937 e 2006. O mais conhecido cineasta da China, Zhang Yimou, comparece com quatro produções: os vencedores do Festival de Veneza, “A História de Qiu Ju” (1992) e “Nenhum a Menos” (1999); e os indicados ao Oscar de melhor filme estrangeiro, “Herói” (2002) e “O Clã das Adagas Voadoras” (2005). Dois importantes filmes históricos também merecem destaque: “Encruzilhada”, de Shen Xiling (1937) e “As Lágrimas de Yang Tze”, de Zheng Junli e Cai Chusheng (1947). Este último foi eleito em 2005 como um dos 22 títulos mais importantes do cinema chinês de todos os tempos.

Uma novidade na programação, e adaptada ao distanciamento, são as playlists de música e vídeo para curtir à vontade, de qualquer lugar ou em qualquer tela. No Spotify, uma seleção assinada pelo jornalista João Marcos Coelho apresenta dez composições que evidenciam sentimentos, climas e atmosferas captadas pela multimilenar música chinesa ao longo dos séculos. Músicas que ajudaram a construção da trilha sonora de uma cultura que faz da simplicidade e das melodias memoráveis a sua permanência no tempo. Já no site do Instituto CPFL, uma videoteca reúne vídeos que contam como é a vida na China, sob o ponto de vista de estrangeiros, mostram exemplos da manufatura, tecnologia, infraestrutura, modernidade, diferenças culturais e peculiaridades gastronômicos.

No encerramento do mês, dia 30 de setembro, haverá uma live de música contemporânea chinesa com o Grupo Rio Primavera e participação especial de músicos do Instituto Anelo. Formado por instrumentistas e cantores chineses, o Grupo Rio Primavera dialoga com os jovens do Instituto Anelo em sinergia com “a mesma paixão pela música” – tema da apresentação. No repertório, a música chinesa faz alusões ao campo e toma emprestadas melodias e canções do riquíssimo folclore do país. Enquanto do lado brasileiro, as raízes africanas destacam-se pelo ritmo contagiante.

A 4ª edição do Intercâmbio Brasil-China é realizada pelo Instituto CPFL durante o mês de setembro e todo o conteúdo poderá ser acessado pela internet. A programação completa poderá ser conferida a partir de 1º de setembro no SITE OFICIAL.