O filme Thelma conta a história de uma garota que está se descobrindo sexualmente, e por meio de suas experiências, ela provoca algumas coisas estranhas ao ser redor, casos sobrenaturais que envolvem distúrbios, causados desde a infância da garota.

Confira também: Manifesto | Review

O longa está concorrendo a melhor filme estrangeiro, claramente por trabalhar a questão da religião e da quebra de tabus referente a homossexualidade, entrando em conflito e demonstrado com metáforas, o que seria genial, se não fosse a presença de erros, de certa forma infantis se pensarmos em profissionais da sétima arte.

Eili Harboe e Kaya Wilkins em Thelma
Eili Harboe e Kaya Wilkins em Thelma (Imagem Divulgação)

Metáforas

A questão das metáforas é realmente interessante, lembra muito a linha de roteiro de Mãe! do Aronofsky, onde uma história é mostrada e mil teorias são criadas.

O fato da protagonista, Thelma, interpretada por Eili Harboe ser de família religiosa, e toda vez que ela começa a se apegar a outra garota, começando a entender o que é sentir apego e prazer em uma pessoa do mesmo sexo, seus pensamentos começam a se colidir com sua fé, extremamente restrita a assuntos homossexuais, leva ela a se confundir, levando ao um surto incontrolável

A garota têm muitos colapsos nervosos diante a tudo o que está acontecendo, mas no filme mostra que ela têm esses problemas mesmo quando tinha apenas seis anos de idade, mas por ter ciúme do irmão caçula, coisa normal de irmão mais velho com o irmão de colo mais novo; o que deixou muitas dúvidas referente a esses distúrbios.

Eili Harboe thelma
Eili Harboe em Thelma (Imagem Divulgação)

Continuidade?

Tecnicamente o filme de Joachim Trier possui muitos defeitos, continuidade de cena foi algo raro a se encontrar, certas mudanças de uma para outra fazia com que perdesse a linha de raciocínio do filme, e piora no final, deixando umas questões em aberto, mas que não faz pensar em possíveis teorias, e sim dúvidas diante a cenas sem pé nem cabeça.

O distúrbio ser demonstrado como um superpoder o qual ela não controla não foi explicado, e nem é preciso, a metáfora em si é bem feita e por causa do roteiro, é de fácil compreensão, todas as vezes que ela tinha a experiência de atração lésbica, era demonstrado de mil formas diferentes, mas nem todas entendidas.

A verdade é que esse distúrbio ao estilo professor Xavier em Logan ficou bem estranho e estragou quase que totalmente a ideia do filme, afinal, qual o intuito da garota beijar outra garota e a terra tremer, corvos voar sem direção e pessoas começarem a desaparecer? Qual era a ideia disso?

thelma
Thelma (Poster Divulgação)

Ideais

É compreensível Thelma ser indicado a melhor filme estrangeiro, pois seus ideais da sexualidade entrar em colisão com uma crença restrita é de certa forma chocante, trazendo essa quebra de tabu que têm acontecido de muito tempo para cá, mas que pecou em práticas simplórias da arte cinematográfica.

São 92 filmes que estão na lista de indicados ao Oscar de melhor filme estrangeiro, mas se analisar todos eles, dificilmente Thelma ficará entre os três primeiros, quem dera os um top dez.

O filme norueguês é interessante em alguns pontos e decepcionante em grande parte, apesar de metáforas complexas que te prendem no filme, os erros estragam muito a experiência do que era para ser realmente demonstrado em tela.

REVIEW GERAL
Thelma
COMPARTILHAR
Artigo anteriorUma Dobra no Tempo | Novo trailer revelado
Próximo artigoKARD lança clipe de novo single
Baraldi

Editor, escritor, gamer e cinéfilo, aquele que troca sombra e água fresca por Netflix e x-burger. De boísta total sobre filmes e quadrinhos, pois nerd que é nerd, não recusa filme ruim. Vida longa e próspera e que a força esteja com vocês.