Psycho-Pass é uma série de anime em 22 episódios, com uma segunda temporada em 11 episódios e um filme, notável por ter roteiro original de Gen Urobuchi (famoso por Madoka Magica entre outros).

Psycho-Pass | Primeiro Gole

Uma das séries de ficção científica mais aclamadas da década, Psycho-Pass, original do estúdio Production I.G. (Kuroko no Basket), se passa em um universo fictício e conta a história de uma jovem chamada Akane Tsunemori, que por acaso é uma super genia que passou em uma espécie de vestibular super difícil.

A Genial Akane

No universo de Psycho-Pass, as avaliações de nível são levadas super a sério e determinam o resto da vida da pessoa de verdade; as amigas de Akane a invejam por sua boa pontuação, que a permitirá trabalhar em praticamente qualquer coisa que ela queira… e ela acaba escolhendo justamente a “polícia” do universo, uma instituição com reputação de ser um lugar barra-pesada para se trabalhar e que controla o funcionamento do sistema de segurança que mantém a sociedade em ordem, o Sybil System.

Até aí, beleza; Akane é “certinha” o bastante para suportar a pressão, afinal se o sistema a escolheu… é? Ao entrar na instituição, Akane descobre o quanto as coisas são diferentes do que ela pensava; na instituição, ela trabalha com pessoas tão diferentes da norma da sociedade quadrada quanto cientistas excêntricos, ex-presidiários e até assassinos. Cada um dos trabalhadores tem um passado sórdido e uma meta clara, e ela praticamente não é levada a sério a despeito de seus resultados. O motivo é que há um mal muito maior que ameaça o sistema, e ela não se dá conta … até que a rachadura na fundação do sistema se faz evidente, com uma série de reviravoltas que ocorrem na série.

Reviravoltas Empolgantes

Não é a toa que a série é considerada uma das melhores: É para os que gostam de reviravoltas, ação e acontecimentos empolgantes, mas é também para os que gostam de temáticas sérias e reflexivas, com ensinamentos de filósofos reais e discussão a respeito de temas tão contemporâneos quanto genética ou a liberdade na Internet – ou a liberdade em geral, – ou dilemas tão clássicos quanto crime e castigo.

Apesar de ser uma série densa em conteúdos, no entanto é também uma série que entrete. É daquelas séries que mostram que não é preciso se levar a sério para abordar temáticas sérias; é possível entreter e distrair e ao mesmo tempo passar uma mensagem importante (afinal, nenhum anime que se leva a sério jogaria um hyper oats. Vejam e entenderão).

Versatilidade, Técnica e Roteiros 

Em resumo, Psycho-Pass surpreende por sua versatilidade. A apresentação também não é de se desprezar, com músicas de Ling Tosite Sigure (de Unravel, de Tokyo Ghoul – veja uma matéria completa sobre eles AQUI) e EGOIST (da Chelly de Guilty Crown) maravilhosas na trilha sonora, que vai do j-rock/indie a sinfonias de Beethoven. A animação e o character design de (Katekyou Hitman Reborn) são igualmente interessantes, mas é mesmo o texto de Gen Urobuchi que fez a série brilhar – e seu nome se tornar ainda mais importante na indústria.

Não é à toa que por muitos a segunda temporada foi uma grande decepção; a segunda temporada foi escrita por Jun Kumagai (Persona 4 The Golden Animation) e deixa de lado a genialidade do texto da primeira, passando a focar em eventos policiais e na parte da ação, com um ou outro questionamento vazios e que vai por um caminho seguro porém decepcionante. Não que tenha deixado de ser Psycho-Pass, e há os que até preferem a segunda temporada.

Afinal, se você é fã de sci-fi e ainda não viu Psycho-Pass – está esperando o que exatamente? Vá correndo assistir e julgue por si mesmo. Não vai se arrepender; no mínimo, vai conhecer e curtir uma das séries mais populares do gênero dos anos 2010.