Olá galera, aproveitando o clima junino/julino hoje trouxe uma receita delicinha de maçã do amor, outra guloseima que une o Brasil e o Japão.

Cookie | Suco Gourmet

Nos animes – principalmente em shoujos -, é muito comum ver maças do amor em festivais nos templos japoneses, algo muito tradicional da cultura deles. Assim como temos o “esperado” episódio da praia, também temos o tradicional episódio do festival. Seja eles em templos ou festivais escolares, a maçã do amor marca presença sempre.

Já no Brasil, costumamos ter o doce junto aos carrinhos de pipoqueiros em parques, feiras ou praças. Além disso nas nossas tradicionais festas juninas é uma guloseima que não pode faltar. Existe dúvida quanto a origem da maçã do amor.

maça do amor imagem 1Os chineses já faziam suas frutas caramelizadas a bastante tempo, porém é diferente da nossa maçã. Existem registros de um confeiteiro americano que fazia algo parecido com a maçã do amor em 1908. E muitos alegam que ele é o criador do doce.

Porém, quem registrou a maça do amor com a calda vermelha e o palito de sorvete, foi um espanhol que morava em São Paulo. Para tirar a família de dificuldades ele começou a vender a maçã, já que a fruta e o açúcar eram abundantes no país. Foi um sucesso, e de ambulante ele passou a cuidar de uma loja que existe até hoje em São Paulo, no Tatuapé, A Casa do Churro. E sim, ele também fez o primeiro churros recheado… o homem é um gênio.

O nome se originou do hábito que alguns homens tinham de presentear suas amadas com a maçã. Não quero polêmicas, acho que cada confeiteiro teve seus méritos, então vamos parar de papo e por a mão na massa!

ingredientes-maça-do-amor

passo-1-maça-do-amor

passo-2-maça-do-amor

passo-3-maça-do-amor

Agora, é só comer!!!

COMPARTILHAR
Artigo anteriorO Bom Gigante Amigo | Review
Próximo artigoRazer lança aplicativo social para Pokémon GO

Olá, sou Sofia, mas pode me chamar de Sofis. Adoro animes, games, livros, séries e comida. Meu primeiro amor da vida foi o Hiei (yu.yu.hakusho). Cheguei a ver anime escondido pois meus pais não gostavam. Mas nunca desisti e hoje ninguém me segura. Gosto muito de estudar culturas e também amo cozinhar e compartilhar as experiências na cozinha. Meu lema é: não deixe para amanhã o que se pode comer hoje.